Cientistas da Universidade de Coimbra testam novos sistemas inteligentes de monitorização de vinhas

Data:

Uma equipa multidisciplinar de cientistas da Universidade de Coimbra (UC) explorou novas abordagens tecnológicas para a gestão de vinhas, abrindo caminho a sistemas de monitorização não invasivos e eficientes.

Em nota de imprensa, a UC explicou que a equipa científica, liderada por investigadores do Instituto de Sistemas e Robótica (ISR) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), considera que os novos sistemas “permitem atuar de forma imediata e localizada em caso de doenças e pestes, melhorando a produção e diminuindo o impacto nocivo no meio ambiente”.

O estudo, que teve a participação de investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra (INESC Coimbra) e da Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC), foi realizado no âmbito do projeto AI+Green – Automação Inteligente na Agricultura de Precisão, financiado pelo MIT Portugal e pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), “que visa melhorar a precisão e a fiabilidade da monitorização e deteção de pestes e doenças em vinhas”.

A agricultura de precisão promove o uso de tecnologia (software e hardware) em aplicações como a proteção, monitorização e gestão agrícola”, referiu a UC.

De acordo com o comunicado, ao longo de 12 meses foram estudadas três vinhas da região Centro – em Coimbra, Valdoeiro (Mealhada) e Quinta de Baixo (Cantanhede) – “geridas segundo práticas convencionais, mas com características biofísicas diferentes”.

As abordagens “exploradas e testadas” pelos investigadores basearam-se em sistemas de ‘Deep Learning’ (aprendizagem profunda, inteligência artificial), usando informação obtida através de satélite e drones.

“Este trabalho estudou as bandas espetrais e técnicas de segmentação mais apropriadas para a identificação de linhas de vinhas em imagens aéreas (por exemplo, capturadas por drones). É importante diferenciar píxeis pertencentes às videiras, de píxeis pertencentes a outros elementos (por exemplo, vegetação entre linhas), para evitar a contaminação de dados”, referiu, citado na nota, o investigador Tiago Barros.

“Ao evitar píxeis que não pertencem às videiras, obtêm-se estimativas mais fiáveis em tarefas como, por exemplo, estimação de colheita ou avaliação do vigor das plantas. Para tal, equipámos um drone com uma câmara multiespectral e uma câmara RGB de alta definição, que foram usadas para recolher informação espetral de três vinhas da zona Centro”, frisou o cientista.

De acordo com o investigador do ISR/FCTUC, os resultados do estudo indicaram que “os modelos de segmentação baseados em ‘Deep Learning’ têm melhor desempenho quando comparados com métodos clássicos”.

Tiago Barros avançou que o estudo, já publicado numa revista científica da especialidade, apresentou bons argumentos para o uso deste tipo de abordagem de câmara dupla para aquisição de dados, contribuindo para o avanço da agricultura de precisão.

“Promover uma agricultura mais eficiente é essencial para melhorar a qualidade e segurança alimentar, sem comprometer a sustentabilidade ambiental. Este setor, embora tenha beneficiado, de forma modesta, de avanços tecnológicos de outros setores, tais como a indústria, robótica ou veículos inteligentes, continua a ser um setor predominantemente manual e pouco eficiente”, observou.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.