Museu do Louvre mantém quebra de 70% de visitantes em 2021

Data:

O Museu do Louvre, em Paris, o mais visitado do mundo, recebeu 2,8 milhões de visitantes em 2021, voltando a sofrer uma quebra de 70% face a 2019, período pré-pandemia, quando quase atingiu 10 milhões, segundo números oficiais.

Encerrado entre janeiro e maio de 2021, o Louvre apenas conseguiu receber mais 100.000 visitantes nesse ano, comparando com 2020, quando registou 2,7 milhões de entradas – menos 72% que em 2019 -, também devido às restrições impostas pela pandemia covid-19.

Em 2019, antes da chegada do coronavírus, o museu maior do mundo tinha registado 9,6 milhões de visitantes, sendo que o recorde absoluto tinha sido registado em 2018, com 10,2 milhões.

Consequentemente, as receitas relacionadas com a emissão de bilhetes em 2021 caíram 80 milhões de euros, em comparação com 2019.

Por isso, ao longo do ano, o Estado francês pagou 110 milhões de euros, incluindo 70 milhões de compensação, por receitas perdidas, e 40 milhões através do plano de recuperação.

Um adicional de seis milhões de euros de apoio está previsto para 2022, indicou o museu.

Aberto ao público durante 194 dias em vez dos 310 do ano passado, o museu acolheu mais visitantes em outubro e novembro de 2021 do que durante todo o verão.

Tal como em 2020, entraram sobretudo visitantes franceses, (61%), com 28% parisienses, e os turistas asiáticos e americanos estiveram “quase totalmente ausentes” das entradas, com 6,2%, seguidos pelos alemães (6%), italianos (4,4%), espanhóis (4%), holandeses (3,2%), britânicos (2,1%) e belgas (2,1%).

Os menores de 18 anos constituíram 20% do público do Louvre, e 28% tinham entre 18 e 25 anos.

Antes da crise pandémica, 20% dos visitantes do Louvre eram americanos, seguidos dos chineses, presentes em 8% a 10% das entradas.

Por seu turno, o Centro Pompidou recebeu 1,5 milhões de visitantes em 2021, uma quebra, comparando com os 3,5 milhões de 2018, mas, mesmo assim, registando uma subida de 65% relativamente a 2020, em parte devido aos 300 mil visitantes da exposição dedicada à obra de Georgia O’Keeffe.

No Museu D´Orsay, também em Paris, entraram um milhão de visitantes, mais 30% do que em 2020, com um regresso assinalável de visitantes europeus.

A covid-19 provocou 5.456.207 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.029 pessoas e foram contabilizados 1.499.976 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em diversos países.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.