Hospital Garcia de Orta suspende visitas a doentes internados face à evolução pandémica

Data:

O Hospital Garcia de Orta, em Almada, suspendeu as visitas aos doentes internados, exceto nos serviços de pediatria e obstetrícia, face à evolução pandémica da covid-19, segundo fonte oficial.

Este hospital, que serve uma população estimada em cerca de 350 mil habitantes dos concelhos de Almada e Seixal, no distrito de Setúbal, tem atualmente 50 doentes internados infetados com SARS-COv2, dos quais 45 em enfermaria, três em Unidades de Cuidados Intensivos e dois em hospitalização domiciliária.

De acordo com dados do gabinete de comunicação do Hospital Garcia de Orta (HGO), a partir da terceira semana de novembro a unidade hospitalar verificou uma tendência crescente de internamento de doentes covid-19, tendo o ritmo desse crescimento acentuado a partir dos últimos dias de 2021.

A taxa de ocupação atual (unidades de adultos) no HGO é de 95,5% estando as enfermarias de Medicina Interna totalmente ocupadas (100%), pelo que foi ativada mais uma fase do Plano de Contingência, módulo outono/inverno 2021/2022.

Em resposta a questões da agência Lusa sobre o impacto da evolução da pandemia na gestão da unidade hospitalar, o gabinete de comunicação do HGO explicou que, “de modo a dar resposta aos doentes `covid´ e doentes `não covid´, o Hospital Garcia de Orta tem vindo a realizar ajustes, com o objetivo de dar seguimento às necessidades dos utentes que recorrem a esta unidade hospitalar”.

No que respeita à resposta aos “doentes covid”, acrescentou, o HGO aumentou a lotação e, no momento, tem duas enfermarias dedicadas de adultos, além de áreas dedicadas a “doentes covid” em Medicina Intensiva, Pediatria e Obstetrícia.

No que respeita a continuidade da prestação de cuidados a doentes “não covid”, o aumento de internamentos motivou a ativação de mais uma fase do plano de contingência, com o reajuste de serviços cirúrgicos e a conversão de camas cirúrgicas em camas médicas (“não covid”).

“É importante realçar que a conversão de camas cirúrgicas, em camas médicas visa responder a um acréscimo de doentes da área médica, com critérios de internamento”, salientou.

As medidas adotadas, acrescentou o HGO, implicam adaptar a atividade dos profissionais às necessidades existentes, para que seja assegurado a todos os utentes a resposta clínica adequada.

Questionado se há um aumento de afluência de doentes não urgentes às urgências, o hospital explicou que tem vindo a registar um maior número de doentes nas urgências e, em simultâneo, um número maior de doentes não urgentes.

Nesta afluência às urgências, explicou o gabinete, o hospital constata a existência de utentes que se dirigem ao Serviço de Urgência Geral (SUG) do HGO, sem critérios de urgência, encaminhados pela linha SNS24, e que poderiam ser observados nas Áreas Dedicadas aos Doentes Respiratórios (ADR) das unidades de cuidados de saúde primários (ADR-C).

Ainda segundo o mesmo gabinete, o hospital tem recebido utentes que chegam pelos seus próprios meios e não reúnem critérios de observação em serviço de urgência, sendo doentes triados, de acordo com o protocolo de Triagem de Manchester, como pouco urgentes (verdes) e não urgentes (azuis) e que poderiam ser acompanhados nas unidades de cuidados de saúde primários.

Às urgências têm ainda chegado outros utentes para realizarem teste à infeção por SARS-COV2 por terem recebido informação da linha SNS24 que poderão realizar o teste, entre outras instituições, também no HGO, dado que o hospital funciona 24 horas por dia.

Mas, devido à elevada afluência ao Serviço de Urgência Geral nos últimos dias, referenciados pela linha SNS24, o HGO tem vindo a reencaminhar os utentes sem caráter de urgência para as Áreas Dedicadas para Doentes Respiratórios (ADR-C) e a encaminhar os utentes que procuram realizar teste covid-19 para os Postos de Colheita destinados para o efeito.

“O HGO alerta recorrentemente à população que, em caso de doença, os cidadãos devem contactar primeiro as equipas de família da unidade de saúde dos cuidados de saúde primários, reservando as situações agudas, urgentes e emergentes para o atendimento no SUG do HGO”, adiantou o hospital numa resposta enviada à agência Lusa.

A covid-19 provocou 5.494.101 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.161 pessoas e foram contabilizados 1.693.398 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.