Reabertura do Museu da Imigração em Lausanne

Data:

Depois de 17 anos de atividade na Avenida de Tivoli, o Museu da Imigração tem uma nova casa na rua Saint-Martin 36, incluído no centro dedicado aos migrantes, com o apoio das igrejas católicas e protestantes.

A inauguração está marcada para 10 de dezembro e as portas ficam abertas das 14 às 20 horas, permitindo descobrir o novo espaço, as coleções e as exposições de obras produzidas por pessoas migrantes.

O Museu poderá assim continuar a trabalhar para salvaguardar a memória dos migrantes e melhorar o diálogo intercomunitário.

Continuando o trabalho realizado sempre inovador, Ernesto Ricou, diretor do Museu, proporciona visitas com hora marcada.

Para visitar é necessário, a partir dos 16 anos, a apresentação do Certificado Digital COVID.

Para mais informações e reservas:

Rue Saint-Martin 36, 1005 Lausanne
Tel 021.2189815, Ernesto Ricou, Musée d’ l’immigration – Lausanne Musées (lausanne-musees.ch)
Ponto de apoio: 021 331 57 20 eglisemigrationvd.com

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.