Já pode votar na “Palavra do Ano”

Data:

A lista das dez palavras finalistas à “Palavra do Ano 2021″, constituída por propostas de cidadãos e pesquisas efetuadas no Dicionário da Língua Portuguesa, foi divulgada pela Porto Editora (PE).

A “Palavra do Ano” é uma iniciativa deste grupo editorial, realizada desde 2009, quando a eleita foi “esmiuçar”.

Para a constituição da lista das palavras a concurso contou também o “trabalho permanente de observação e acompanhamento da realidade da língua portuguesa, levado a cabo pela Porto Editora”, segundo o comunicado divulgado.

A votação decorre até às 24:00 do dia 31 de dezembro, em www.palavradoano.pt, e a vencedora será conhecida “nos primeiros dias de janeiro” próximo.

Da lista constam “apagão”, justificada a escolha pelo “período [este ano] em que milhões de utilizadores ficaram sem acesso às principais redes sociais, com impacto social e económico a nível mundial”.

Outro termo candidato é “bazuca”, utilizado pelo primeiro-ministro António Costa para designar o pacote de ajuda europeu destinado “a fomentar a recuperação da economia, na sequência da pandemia”.

“Criptomoeda” é a terceira palavra candidata. “As moedas virtuais encriptadas multiplicam-se e crescem em popularidade e valor, o que tem levado vários países a estudar [os seus] mecanismos de regulamentação”, justifica a PE.

Outro termo que faz parte da lista é “mobilidade”, justificada pelo “agravamento do trânsito automóvel, especialmente nos centros urbanos, e a preocupação com a sustentabilidade e acessibilidade dos transportes originaram múltiplos debates sobre a mobilidade”.

Na lista para votação ‘online’, segue-se, na ordem alfabética, “moratória”, um sistema criado pelo Governo em março do ano passado. “As moratórias de crédito ajudaram muitas famílias e empresas afetadas pelo impacto da pandemia da COVID-19”, refere a PE.

“Orçamento” é outra palavra candidata justificada pela “rejeição da proposta de Orçamento do Estado para 2022 no parlamento, [que] levou o Presidente da República a dissolver a assembleia, convocando eleições antecipadas”.

“Podcast” faz parte do elenco de finalistas, um termo que “ganhou popularidade entre os portugueses”, com a multiplicação “dos novos conteúdos difundidos neste formato”.

“Resilência” é outro termo a votação, e refere-se ao “impacto da pandemia na saúde, economia e bem-estar, a par das sucessivas medidas tomadas no seu combate, colocaram à prova a resiliência dos portugueses”.

Resultante da situação pandémica, surge outro termo a concurso, “teletrabalho”. “Tradicionalmente associado a empresas do setor tecnológico, o teletrabalho foi determinante para assegurar a continuidade de diversas atividades económicas no contexto pandémico”.

A fechar a lista surge “vacina”. ”Desenvolvidas em tempo recorde, as vacinas tornaram-se a maior arma contra a covid-19 e Portugal é um dos líderes mundiais na sua inoculação”, refere a PE.

No ano passado, a palavra escolhida foi “Saudade”, que superou as palavras “covid-19” e “pandemia”, colocadas em segundo e terceiro lugar, respetivamente.

“Saudade” recolheu pouco mais de 25% dos votos “dos cerca de 40 mil internautas” que participaram na escolha ‘online’, segundo a PE.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.