Estações do metro fechadas e filas para os autocarros em mais um dia de greve em Lisboa

Data:

Estações do metro fechadas e filas nas paragens de autocarro marcavam, cerca das 08:30, a manhã de hoje na capital, devido à greve de 24 horas dos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa.

Pelas 08:20, dezenas de pessoas esperavam em longas filas no Campo Grande pelos autocarros que as levariam ao seu destino.

Em declarações à agência Lusa no local, Célia Rodrigues, que veio de Torres Vedras, disse que não tinha conhecimento da greve.

“Vim de Torres Vedras e tenho uma consulta na Maternidade Alfredo da Costa, às 09:20, e não sabia da greve. Estou aqui há meia hora à espera do autocarro. Nem sabia da greve, deparei-me com isto [filas para o autocarro). É chato. Tenho uma consulta e só estou cá para a consulta”, disse.

Também Rosa Dias estava na fila na paragem do autocarro há cerca de meia hora para conseguir tratar de assuntos pessoais no Parque das Nações.

“Sabia da greve e até saí de casa mais cedo, já a contar com alguns atrasos. Mesmo assim, estou aqui há meia hora”, contou.

Por sua vez, Leo contou à Lusa que estava à espera há 20 minutos de um autocarro para ir até ao Marquês de Pombal.

“Vou trabalhar às 10:00, sabia da greve e vim um bocadinho mais cedo. Saí de casa às 06:30, cheguei aqui e não consegui apanhar logo o autocarro para o Marquês”, disse.

Apesar da greve e das filas nos autocarros, o trânsito na zona do Campo Grande, pelas 08:40, estava a fluir normalmente.

As estações do Metropolitano de Lisboa estão encerradas desde quarta-feira à noite devido à paralisação de 24 horas de trabalhadores da transportadora, que às 06:30 tinha uma adesão elevada.

Os trabalhadores estão em greve desde a meia-noite contra o congelamento de salários e para reivindicar progressões na carreira, num protesto que se prolongará até às 24:00 de hoje.

Segundo a empresa, o serviço só deverá reabrir às 06:30 de sexta-feira.

Esta é a segunda greve no Metropolitano de Lisboa esta semana, depois de na terça-feira ter havido uma paralisação parcial de manhã, com a circulação de comboios a começar cerca das 10:00.

Em 26 e 28 de outubro, trabalhadores do Metropolitano de Lisboa já tinham feito greves parciais semelhantes à de terça-feira, com as estações a manterem-se fechadas até meio da manhã.

Segundo a empresa, nestas greves parciais, a adesão global ao protesto situou-se entre os 42,62% e os 46,26%, enquanto a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS) afirmou que a adesão foi “elevada”, sem adiantar números.

Os trabalhadores já tinham feito greves parciais em maio e junho, tendo em conta as mesmas reivindicações.

Na origem das paralisações está o protesto contra o congelamento salarial e a luta pela aplicação de todos os compromissos assumidos pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática, em que se inclui a prorrogação do Acordo de Empresa, pelo preenchimento imediato do quadro operacional e pelas progressões na carreira.

Na semana passada, a transportadora referiu em comunicado que se encontra “recetiva à discussão das propostas apresentadas pelas entidades sindicais, sendo as mesmas objeto de negociação”.

O Metropolitano de Lisboa opera as linhas Amarela (Rato-Odivelas), Verde (Telheiras-Cais do Sodré), Azul (Reboleira-Santa Apolónia) e Vermelha (Aeroporto-São Sebastião), das 06:30 às 01:00, todos os dias.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.