AR recomenda medidas para a recuperação da atividade da Procriação Medicamente Assistida

Data:

O parlamento recomendou hoje ao Governo um conjunto de medidas que visam a recuperação da atividade da Procriação Medicamente Assistida, afetada pelo contexto de pandemia da covid-19, nomeadamente o reforço dos recursos financeiros e humanos.

O projeto do BE, aprovado apenas com a abstenção de PS e CDS-PP, recomenda ao executivo a “criação de um plano de retoma de atividade e recuperação de listas de espera que passe pela contratação de mais profissionais para os centros públicos de PMA e um pacote financeiro específico para a sua recuperação de atividade”.

Os bloquistas sugerem ainda que, “tendo em conta os impactos extraordinários da pandemia, se alargue, mesmo que de forma excecional e transitória, a idade limite para acesso aos procedimentos de PMA nos centros públicos, sendo esse prolongamento da idade limite amplo o suficiente para acomodar os atrasos e adiamentos provocados pela pandemia”.

Já o PCP, num projeto aprovado com as abstenções de PS, CDS-PP e IL, recomenda o “alargamento da idade das mulheres no acesso às técnicas de procriação medicamente assistida, abrangendo as mulheres que constavam das listas de espera e que foram excluídas ou que lhes foram negados os tratamentos porque fizeram 40 anos, tendo em conta o aumento das listas e do tempo de espera na sequência da redução da atividade” destes centros devido à pandemia.

Entre as medidas propostas pelo PCP constam a “criação de um regime excecional de atribuição de incentivos aos profissionais de saúde para recuperar as listas de espera, nomeadamente na realização de consultas e de tratamentos em atraso”, o reforço de recursos materiais e humanos, “designadamente com a contratação de profissionais de saúde para reforço das equipas dos Centros Públicos de Procriação Medicamente Assistida, dispensando a prévia autorização dos membros do Governo” ou medidas para o reforço “da captação de doadores de gâmetas nos bancos públicos, com vista ao aumento significativo de dádivas”.

A recomendação do CDS-PP – que viu ‘luz verde’ com abstenções de PS, BE, PAN e da deputada Joacine Katar Moreira (ex-Livre) – sugere o “reforço de recursos humanos e financeiros nos Centros públicos de PMA, com vista à recuperação das listas de espera e à retoma da atividade” bem como a “contratualização de tratamentos de PMA em Centros do setor privado, sempre que estes demonstrem capacidade disponível e cumpram com os requisitos legalmente exigíveis”.

Também a deputada não inscrita Cristina Rodrigues viu a sua resolução sobre o tema aprovada, na qual recomenda um “plano especial de recuperação das listas de espera e de apoio à retoma da atividade dos Centros de Procriação Medicamente Assistida, com reforço de meios humanos e financeiros no Serviço Nacional de Saúde e, caso se revele necessário, com o recurso à capacidade disponível fora do SNS”.

Cristina Rodrigues sugere ainda ao Governo que “desenvolva as diligências necessárias para garantir que o limite de idade de acesso a técnicas de Procriação Medicamente Assistida de 1.ª e 2.ª linha no Serviço Nacional de Saúde passa a ser os 49 anos e 365 dias da mulher, igualando o regime do sector público ao do sector privado”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.