Idosos da Amadora aproveitam ‘casa aberta’ para reforço da vacinação

Data:

De forma organizada, permitindo utentes com e sem marcação, o centro de vacinação covid-19 na Amadora, no pavilhão Fórum Luís Camões, registou uma grande afluência de idosos que aproveitaram a modalidade ‘casa aberta’ para maiores de 80 anos.

Na fila de “utentes sem marcação”, que pelas 10:00 de sábado juntava menos de uma dezena de idosos, João Santos, de 81 anos, aguardava a entrada no centro de vacinação covid-19 na Amadora, distrito de Lisboa, onde decidiu deslocar-se para antecipar a administração da terceira dose da covid-19

“Tenho uma marcação para quinta-feira que vem, mandaram para o telemóvel, […] mas eu na quinta-feira não estou cá e vim pedir se podia ser hoje”, contou o utente da Amadora, referindo que o seu pedido foi acedido.

Ficou na fila à espera e em poucos minutos entrou para ser inoculado com a terceira dose contra a covid-19.

No âmbito da modalidade ‘casa aberta’ para maiores de 80 anos, a funcionar este fim de semana nos centros de vacinação, há a possibilidade de coadministração das vacinas contra a gripe e a terceira dose da vacina contra a covid-19.

João Santos decidiu só tomar a terceira dose contra a covid-19, recusando a vacina da gripe, que apenas tomou uma vez na vida e lhe provocou sintomas durante uma semana.

Na mesma fila, fazendo-se deslocar de cadeira de rodas, com o apoio do filho, Manuel Augusto, de 84 anos, aproveitou a modalidade de ‘casa aberta’ para tomar a terceira dose contra a covid-19 e a vacina da gripe.

“Como estava a ‘casa aberta’ e com tinha mais de 80 anos, aproveitei e vim agora”, disse, referindo que escolheu o dia de hoje por ser fim de semana e assim ter o apoio do filho.

Manuel Augusto defendeu a abertura de mais postos de vacinação, para facilitar a mobilidade das pessoas, contando que tomou as primeiras doses da vacina contra a covid-19 no Pavilhão Desportivo Escolar Municipal Rita Borralho, na Amadora, que fica mais perto da sua residência, mas o espaço já não está a funcionar como centro de vacinação.

Também à entrada do pavilhão Fórum Luís Camões, Manuel Afonso, de 72 anos, esperava a administração da terceira dose contra a covid-19 e da vacina da gripe. Apesar de não ter marcação e de não ter mais de 80 anos, o utente aproveitou para pedir para ser vacinado, uma vez que já lá estava a acompanhar a sua mulher que tinha marcação.

Sobre a organização do processo, não apontou falhas ao centro de vacinação na Amadora, mas lembrou que têm ocorrido problemas noutras zonas do país, situação que associou ao afastamento do vice-almirante Gouveia e Melo da coordenação do plano de vacinação contra a covid-19.

Com marcação, Luísa Penteado, de 77 anos, veio tomar a segunda dose contra a covid-19, porque não conseguiu tomar antes por ter sofrido um AVC. A primeira dose “correu bem” e assim espera que corra a segunda, bem como a terceira dose que está disponível para receber.

A utente confirmou que o processo de vacinação contra a covid-19 tem sido “rápido”, sem problemas a registar, realçando a necessidade de se “prevenir” contra o vírus.

A coordenar este centro de vacinação na Amadora, a enfermeira Maria do Castelo Dias disse à Lusa que o processo “tem decorrido dentro do esperado”, com o registo de “grande afluência”, com utentes da área e de fora da área, que “muito positivamente estão a aceitar a covacinação”.

“Há muitos utentes que quando chegam aqui solicitam apenas a vacina ou da gripe ou da covid-19. Depois de conversarmos, explicarmos todo o processo, que não há qualquer intercorrência, muitos acedem e fazem a covacinação”, indicou a enfermeira, adiantando que o centro de vacinação contabilizou 1.200 agendados e esteve também a funcionar com a modalidade ‘casa aberta.

Maria do Castelo Dias explicou que a afluência ao sábado é superior aos dias da semana, porque muitos dos utentes têm limitações de mobilidade e recorrem ao apoio dos filhos para se deslocarem.

A enfermeira explicou ainda que existem utentes que não têm o intervalo dos seis meses para fazer a terceira dose, mas podem deslocar-se para tomar a vacina da gripe e, posteriormente, farão o reforço contra a covid-19.

A covid-19 provocou mais de cinco milhões de mortes em todo o mundo, entre mais de 251,87 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.242 pessoas e foram contabilizados 1.106.005 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.