Inverno e Natal tornam inevitáveis medidas de proteção

Data:

O investigador Miguel Castanho considera inevitável que, com a evolução da pandemia na Europa, a chegada do Inverno e o aproximar do Natal, se mantenham algumas medidas de proteção contra a covid-19 e reforcem outras.

Em declarações à agência Lusa a propósito do alerta da Organização Mundial de Saúde, que se manifestou preocupada com o acelerar dos novos casos nalguns países da Europa, o especialista lembrou que “qualquer circunstância em que haja multiplicação acelerada e descontrolada do vírus aumenta a probabilidade de aparecer uma nova variante”.

Diz que não é automático que tal variante escape à proteção conferida pelas vacinas, mas admite que há esse risco: “Não quer dizer automaticamente que vá aparecer uma variante que escapa às vacinas, mas é um risco. Não quer dizer que seja uma fatalidade, mas quando deixamos vírus multiplicar-se livremente (…) criamos uma situação propícia a esse perigo”.

O investigador do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa admite que a Europa, com o ritmo de crescimento dos novos casos nalguns países, conjugado com taxas mais baixas de vacinação, “pode contribuir para esse risco”, mas lembra que o continente europeu não está numa situação homogénea.

“Há países numa situação muito difícil, como os do leste e alguns do Centro da Europa, e outros ainda numa situação relativamente boa, como Portugal. Mas, claro que, fazendo parte da mesma comunidade, estes países não podem garantir que vão continuar nessa situação boa, pois estão expostos â circulação das pessoas”, afirmou.

O especialista considera inevitável que se tenham de manter algumas medidas de proteção, reforçando eventualmente outras, sobretudo com o aproximar do Inverno e do Natal, quando a mobilidade das pessoas e os contactos aumentam.

“Vimos no Natal passado que este período é especialmente propicio a contágios e à propagação do vírus. Não estamos na mesma situação, e não voltaremos a viver a mesma situação em termos de intensidade porque coincidiu com a entrada da variante do Reino Unido e porque já temos uma população bastante vacinada, mas é preciso atenção”, considerou.

O investigador insiste que é preciso aprender com o passado, sobretudo por causa das condições climatéricas e da cultura de Natal, em que há maior mobilidade e contactos entre as pessoas. “E isto é propicio à propagação do vírus e a contágios”, insiste.

“Mesmo tendo a população vacinada, sabemos que as vacinas não impedem por completo o contágio e a transmissão e é expectável que a situação epidémica piore no Natal”, acrescentou.

Miguel Castanho sublinha que as vacinas são eficazes ao evitar a doença grave e a hospitalização, mas lembra que o chamado ‘covid longo’ é um problema “de dimensões consideráveis”.

“Se muita gente adoece, ainda que com formas mais leves ou moderadas da doença, estamos a arriscar a que muitos sofram ao longo de vários meses ou anos as sequelas do vírus e isso também tem custos”, lembra, sublinhando: “Não podemos corre esse risco”.

Face ao aproximar do Inverno e do Natal, Miguel Castanho defende que se devem reconsiderar algumas medidas de proteção individual, designadamente o uso de máscara sempre que se contacte com outras pessoas.

“Estamos com parâmetros de incidência semelhantes a junho e numa situação que já vimos disparar e ser o início de uma fase em que as coisas pioram, mesmo estando mais vacinados”, alertou.

Sobre as doses de reforço, Miguel Castanho é prudente e defende que “faz sentido acelerar a análise dos dados de modo a que se perceba se a terceira dose, a de reforço, é necessária para todos faixas etárias ou não”.

“Não devemos avançar para a terceira dose indiscriminadamente. Temos de perceber primeiro que faixas etárias beneficiam. É preciso ver se a lógica que se aplica aos maiores de 80 anos também se aplica a outras faixas etárias”, concluiu.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.