Projeto português ‘Girl MOVE’ que potencia a liderança feminina em Moçambique distinguido pela UNESCO

Data:

A organização portuguesa ‘Girl MOVE’, que potencia o talento e a liderança feminina em Moçambique para quebrar o ciclo de pobreza, recebeu hoje o prémio UNESCO para a Educação de Raparigas e Mulheres 2021.

Com este prémio a agência das Nações Unidas reconhece internacionalmente a metodologia da ‘Girl MOVE’ como inovadora e eficaz, que através de círculos de mentoria intergeracionais potenciam o talento e a liderança feminina sendo considerado um movimento transformador que junta jovens mulheres de diferentes idades e em distintas fases de desenvolvimento para se inspirarem, apoiarem e transformarem mutuamente.

A ‘Girl MOVE’, criada em 2014, tem o seu espaço em Nampula, norte de Moçambique, contribuindo no combate aos reduzidos níveis de escolaridade entre a população feminina, sendo agora a primeira organização portuguesa a ser distinguida com o Prémio da UNESCO – para a Educação de Raparigas e Mulheres 2021.

Para Alexandra Machado, presidente executiva e cofundadora da ‘Girl MOVE’, a atribuição do Prémio da UNESCO é o reconhecimento de que o trabalho desenvolvido está no caminho certo, criando impacto e transformação real na sociedade.

“Ativar o talento e a liderança desta nova geração torna-nos parte de uma missão maior de transformar Moçambique, África e a humanidade num lugar melhor e mais sustentável”, frisou.

Em Moçambique cerca de 45% das raparigas casam ou engravidam antes dos 18 anos, 31% transitam para o ensino secundário e apenas 2% completam a universidade.

Com a sua intervenção a ‘Girl MOVE’ tem vindo a inverter esta realidade e já contribuiu para transformar a vida de milhares raparigas e jovens mulheres em Moçambique.

De acordo com a organização, depois da frequência universitária, cerca de 100% das jovens licenciadas que passaram pelo programa conseguiram em menos de três meses ingressar numa carreira de impacto, e 90% das raparigas adolescentes transitaram para a escola secundária em contraponto com os 30% a nível nacional.

Em declarações à agência Lusa, Marta Figueiredo, diretora da ‘Girl MOVE’, explicou que todos os anos são abertas duas mil candidaturas para jovens licenciadas, sendo selecionadas 40 que fazem depois um percurso de liderança e inovação social.

Cada uma destas 40 jovens terá a seu cargo um grupo de 30 ou 40 adolescentes com quem se encontram duas vezes por semana para, como mentoras, serem uma inspiração e uma referência que mude o paradigma num país com elevada taxa de abandono escolar.

“O ciclo de pobreza planeado tem a ver com a falta de referência que lhes permitam sonhar um futuro diferentes e o que estas raparigas mais velhas trazem é essa mudança radical através do exemplo”, explicou.

Marta Figueiredo adiantou que a academia da ‘Girl MOVE’ já formou mais de 150 jovens que o projeto acredita que vão contribuir para uma mudança em Moçambique nos próximos 10 anos.

Ao longos dos oito anos de existência, salientou, já usufruíram também deste projeto mais de cinco mil raparigas.

O Prémio UNESCO para a Educação de Raparigas e Mulheres homenageia contribuições notáveis e inovadoras feitas por indivíduos, instituições e organizações para promover a educação de raparigas e mulheres. É o primeiro Prémio UNESCO desta natureza e é único a distinguir projetos de sucesso que melhoram e promovem as perspetivas educacionais de raparigas e mulheres e, por sua vez, transformam a qualidade das suas vidas.

Fotografia https://www.girlmove.org/pt/project/vencedora-do-premio-unesco-2021/

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.