Governo da Madeira manifesta pesar pela morte do cónego Alexandre Mendonça

Data:

O Governo da Madeira, presidido por Miguel Albuquerque, expressou pesar pela morte do cónego madeirense Alexandre Mendonça, que morreu na quarta-feira na Venezuela, destacando o “seu elevado sentido humanista” e “altruísmo”.

Numa nota enviada às redações, o executivo madeirense endereça à família “os mais sinceros pêsames” e enaltece a “figura de relevo, incontornável e marcante da comunidade madeirense radicada na Venezuela, não só no campo espiritual, mas também pelo profundo sentido humanista com que sempre se colocou e se entregou ao serviço daquela nossa comunidade na diáspora”.

“Na memória coletiva da comunidade na diáspora e da nossa terra ficará para sempre o altruísmo e o mais elevado sentido humanista na forma como prontamente acolheu na Missão Católica Portuguesa, da qual era diretor, dezenas de compatriotas que perderam as suas casas e familiares durante as enxurradas no Estado de Vargas em 1999”, destaca o Governo Regional, de coligação PSD/CDS-PP.

Miguel Albuquerque manifesta ainda a sua gratidão para com “os relevantes serviços prestados” por Alexandre Mendonça junto da comunidade madeirense na Venezuela.

O PSD manifestou, igualmente, pesar pela morte do cónego Alexandre Mendonça e apresentou, na Assembleia Legislativa, um voto de pesar, destacando “a sua dedicação e atenção para com a comunidade portuguesa residente na Venezuela”.

Também o grupo parlamentar do PS no parlamento da Madeira emitiu uma nota de pesar, na qual sublinha que o padre Alexandre Mendonça “deixa uma marca inapagável junto das comunidades portuguesas e madeirenses na Venezuela, país para o qual emigrou há mais de 50 anos e onde desenvolveu uma notável obra social”.

“Com a sua partida, a nossa diáspora fica, inevitavelmente, mais pobre”, afirmam os socialistas.

Alexandre João Mendonça de Canha nasceu no Funchal, na Madeira, e emigrou para a Venezuela aos 12 anos de idade, onde se fez sacerdote, concretizando “a coisa mais linda e importante” da sua vida.

Durante os mais de 33 anos de sacerdócio, destacou-se como mentor da comunidade luso-venezuelana.

A morte de Alexandre Mendonça foi confirmada à agência Lusa por fontes próximas do sacerdote na quarta-feira à noite, precisando que esteve internado em setembro por motivos relacionados com a covid-19 e que teve uma recaída que o levou novamente a uma clínica de Caracas.

Devoto de Nossa Senhora de Fátima, Mendonça, abriu as portas da Missão Católica Portuguesa para acolher dezenas de compatriotas que perderam as suas casas e familiares durante as enxurradas de finais de 1999 no estado venezuelano de Vargas.

Durante mais de 15 anos foi mentor de Campo Rico, uma paróquia popular de gente muito pobre e exerceu funções como ecónomo do arcebispado de Caracas, diretor da Casa Sacerdotal (que acolhe sacerdotes doentes) e capelão de vários organismos de segurança pública venezuelanos.

Em dezembro de 2016, o arcebispo de Caracas, Jorge Urosa Savino (1942-2021), conferiu-lhe o título honorífico de cardeal.

Em junho de 2019, foi condecorado com a Medalha de Mérito das Comunidades Portuguesas, durante o Dia de Portugal, aproveitando a ocasião para apelar aos lusitanos a dar atenção aos mais vulneráveis, em particular os anciãos luso-venezuelanos.

Mendonça foi condecorado como comendador da República de Portugal (1997) e com a ordem Cecílio Acosta em primeira classe (1999) pelas autoridades do Estado de Miranda (Venezuela). Em 2006 foi declarado “madeirense ilustre” e agraciado com uma medalha e um galardão pela Comissão Pró-Celebração do Dia da Região Autónoma da Madeira em Caracas.

Presidiu à Fundação Virgem de Fátima e foi assessor do Movimento Sacerdotal Mariano. Também foi guia espiritual de associações de beneficência e colégios, do Centro Português (Macaracuay) e do Centro Marítimo da Venezuela (Turumo).

Também recebeu a Cruz da Polícia Metropolitana de Caracas, em segunda e terceira classe.

Em 2006 foi condecorado pelo Centro Português de Caracas com a Ordem Grande Cordão João Fernandes de Leão Pacheco.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.