Filme sobre o guitarrista Zé Pedro em destaque no festival de cinema punk de Los Angeles

Data:

O documentário realizado por Diogo Varela Silva, “Zé Pedro Rock ’n’ Roll”, é uma das seleções oficiais do festival de cinema punk de Los Angeles, que termina com uma cerimónia de prémios a 11 de outubro.

“É ótimo que o filme seja visto e que vá a sítios”, disse à Lusa o realizador, sublinhando que o documentário já venceu 16 prémios e foi exibido em perto de 40 festivais. “Acho muita piada que seja visto no festival de filmes punk de LA. Acho que se há um festival em que o Zé Pedro ia achar piada estar, de certeza que era este”.

Em formato híbrido, presencial e ‘online’, o LA Punk Film Festival permitirá aos participantes assistirem a longas-metragens, curtas e documentários selecionados por um painel de críticos de cinema.

O acesso a “Zé Pedro Rock ’n’ Roll” estará disponível por 3,99 dólares (3,45 euros), através da plataforma de ‘streaming’ do festival.

Segundo Diogo Varela Silva, o sucesso que o documentário alcançou desde que foi lançado deve-se à universalidade da história de Zé Pedro.

“Quando fiz o filme, achei que ia ser uma coisa mais interna, para nós. Nunca pensei que fosse ter tanto interesse fora de Portugal como está a ter”, disse o realizador. “Apesar de ser uma banda portuguesa e um músico português, é uma história universal. É alguém que sonhou ser músico e lutou por isso, fez-se à estrada”, explicou Diogo Varela Silva.

“Um espectador americano pode-se rever nessa história, como um chinês, um francês, um indiano, em todos os sítios por onde o filme já passou. Se calhar é esse o segredo da aceitação que o filme está a ter: é a história ser universal, compreendida em qualquer parte do mundo”.

Tendo chegado às salas de cinema portuguesas em julho de 2020, “Zé Pedro Rock ’n’ Roll” continua a fazer percurso em festivais internacionais e a ganhar prémios. Diogo Varela Silva indicou que estão agora a ser estudadas várias hipóteses de distribuição internacional.

“Zé Pedro, o lendário guitarrista dos Xutos e Pontapés, é o maior nome do rock ’n’ roll português”, descreve o LA Punk Film Festival na apresentação do documentário sobre o músico, que morreu em 2017.

“Ele foi a sua maior força motriz, não apenas como guitarrista fundador da melhor banda portuguesa de sempre, mas também ao promover o género como crítico de música, radialista e dono do Johnny Guitar, um mítico clube e sala de concertos em Lisboa, onde tantas bandas deram os seus primeiros passos”.

Em novembro do ano passado, o documentário venceu o prémio de melhor longa-metragem internacional do festival norte-americano de Silicon Beach Film, depois de já ter sido distinguido com o Prémio de Mérito nos Accolade Global Film Competition e nos Impact Docs Awards, também nos Estados Unidos, além de ter recebido os prémios de melhor documentário e de melhor longa-metragem, nos festivais Salto, no Uruguai, Mabig, na Alemanha, e no Best Istanbul Film Fest, na Turquia, entre outros certames e distinções.

Em 2019, obteve o Prémio do Público do festival Doclisboa.

“Zé Pedro Rock n’Roll” estreou-se nas salas portuguesas em julho do ano passado, cerca de dois anos e meio após a morte do guitarrista.

O filme cruza depoimentos de amigos, dos irmãos, dos sobrinhos, de todos os elementos dos Xutos & Pontapés e de muitos dos músicos com quem o guitarrista se cruzou.

São ainda recuperados excertos de entrevistas e depoimentos do músico, imagens de arquivo de concertos e ensaios dos Xutos & Pontapés, registos da vida do clube Johnny Guitar, palco e ponto de encontro em Lisboa para dezenas de músicos, e pedaços dos programas de rádio nos quais Zé Pedro participou.

José Pedro Amaro dos Santos Reis – Zé Pedro – morreu em 30 de novembro de 2017, aos 61 anos.

A relação com a música vinha desde novo, por influência do pai, e uma das memórias é uma ida ao festival Cascais Jazz, na adolescência, que é recordada no documentário.

No verão de 1977, numa viagem de comboio pela Europa, foi a um festival punk no sul de França, decisivo para a formação pessoal e para o que queria fazer de futuro, como contou no filme.

De regresso a Lisboa, mergulhado na estética punk rock, formou os Xutos & Pontapés, cujo primeiro concerto aconteceu a 13 de janeiro de 1979, nos Alunos de Apolo, em Lisboa.

No documentário são recordados os problemas de saúde, resultantes dos excessos de droga e álcool, o transplante de fígado e a vida de palco.

Colecionador de música, a par da vida nos Xutos & Pontapés, Zé Pedro desdobrou-se noutros projetos, com programas de rádio, a gerência e curadoria do Johnny Guitar, e entrada nos grupos Cavacos, Palma’s Gang, Maduros e Ladrões do Tempo.

Diogo Varela Silva é autor de outros documentários como “Celeste” (2015) e “Fado da Bia” (2012).

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.