Se houver eleições devem acontecer “o mais rapidamente possível”

Data:

O ministro da Economia afirmou hoje que, caso o Presidente da República decida dissolver o parlamento, as eleições legislativas antecipadas devem acontecer “o mais rapidamente possível”, para superar o impacto negativo na economia.

“Nós precisamos de eleições, se for essa a decisão do senhor Presidente da República, o mais rapidamente possível. Isto permitirá também superar esta incerteza que, obviamente, é um impacto negativo sobre a economia”, defendeu o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, em declarações aos jornalistas, à margem da 33.ª Reunião Plenária do Conselho Nacional do Consumo, no instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG).

Na quarta-feira, a Assembleia da República chumbou o Orçamento do Estado para 2022, cabendo agora ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decidir sobre a possível dissolução do parlamento e a realização de eleições legislativas antecipadas.

“Eu diria que quanto mais cedo no início do próximo ano as eleições puderem ser, melhor é também para a economia portuguesa, para todos os agentes económicos e, diria eu, também para os cidadãos”, sublinhou o governante.

Siza Vieira lembrou que “o Governo está em plenitude de funções” e garantiu que serão usados “todos os recursos” à disposição “para que este momento de perturbação política seja ultrapassado com o mínimo de prejuízo para a economia nacional”.

Questionado sobre a concretização das metas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e se serão comprometidas falta de Orçamento do Estado, Siza Vieira disse que está a ser feita uma avaliação, no sentido de assegurar que se prossegue “o ritmo de aplicação e gestão dos fundos europeus”.

“Independentemente das circunstâncias políticas e independentemente daquilo que possam ser as decisões do senhor Presidente da República, do que os portuguesas venham a ser chamados a fazer, é muito importante que cada um de nós faça o seu trabalho, faça o seu papel, no sentido de não prejudicarmos o país naquilo que é o aproveitamento destes recursos”, sublinhou.

O ministro da Economia lembrou que até ao final deste ano ainda há orçamento e, por isso, é “importante” que a Assembleia da República conclua algumas matérias antes da sua dissolução, tendo destacado como a mais premente a revisão do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas.

“O problema que se coloca é depois no primeiro trimestre do próximo ano, em que não podemos perder tempo, já não dispomos de orçamento, por isso, quanto mais cedo tivermos eleições, melhor para nos ajudar a cumprir este objetivo [de executar os fundos europeus]”, acrescentou.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.