Trazer identidade da guitarra portuguesa “tem mais valor”

Data:

A guitarrista portuguesa Luísa Amaro, que atuou no sábado e domingo na Expo 2020 Dubai, manifestou-se, em declarações à Lusa, satisfeita por participar na exposição mundial, salientando que trazer a identidade da guitarra portuguesa “tem mais valor”.

Luísa Amaro tinha tocado no sábado, no âmbito do dia da União Europeia, e tocou domingo no âmbito da comemoração dos 500 anos da primeira Circum-Navegação, o Pavilhão de Portugal na Expo 2020 Dubai.

“Acho que estar aqui presente num acontecimento tão importante por si só já dignifica, é muito bom. É muito bom para mim, é muito bom para o Gonçalo [Lopes] que toca comigo, com o seu clarinete baixo, mas sobretudo trazer esta identidade da guitarra portuguesa que é um instrumento que só é tocado por nós, ainda tem mais valor”, afirmou a guitarrista.

Por isso, “é muito emocionante”, salientou Luísa Amaro.

A guitarra “é um instrumento que vale muito pelas suas emoções e se tudo for sincero as pessoas sentem. E foi isso que eu senti tanto ontem como hoje, há uma predisposição para ouvir o que é tocado com sinceridade e isso pode ser uma ajuda também, e sempre, no incremento das relações culturais”, referiu.

Além disso, “é uma parte que depois ajuda as relações comerciais, e uma coisa não está desligada da outra”, sublinhou.

“Cada país tem a sua identidade e é nessa diversidade que depois também tudo se une e a guitarra pode ser aquele elemento que vai unindo, conforme se vai viajando pelo mundo e no fundo, tal como Portugal, acho que tem o mundo dentro de si”, acrescentou Luísa Amaro.

“A guitarra também é um instrumento generoso que se partilha com os outros e que fica sempre bem onde quer que se vá”, afirmou.

Na sua atuação de domingo, Luísa Amaro tocou uma ‘morna’: “Hoje, sobretudo, que se falava no Magalhães, um dos sítios por onde Magalhães já não passou, mas a viagem passou por lá, foi precisamente Cabo Verde”.

E “achei interessante também trazer Cabo Verde porque somos feitos de todos estes povos e resulta bem porque a ‘morna’ dá-nos aquele ambiente descontraído , agradável, reconfortante, já sem tanto peso, como talvez outas partes da viagem do Magalhães”, prosseguiu, salientando que a reação das pessoas foi “muito boa”.

Já sobre se há mais mulheres a tocar guitarra portuguesa, Luísa Amaro contou: “Não era habitual quando eu comecei, agora hoje em dia já há mais, felizmente, há mais mulheres a tocar guitarra portuguesa”, aliás, há uma jovem que se formou em guitarra portuguesa.

E isso “é importante porque é um instrumento que não se pode separar” por géneros, considerou.

“A minha caminhada é feita de algumas [músicas] de Carlos Paredes, daquilo que eu componho. Nada se compara ao Carlos Paredes, mas acho que todos nós temos obrigação de fazer o nosso próprio percurso”, concluiu a guitarrista portuguesa.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.