Lares sem limite de visitas e discotecas reabertas na Madeira a partir de sexta-feira

Data:

As discotecas podem reabrir na Madeira para clientes vacinados ou recuperados da covid-19 e terminam as restrições ao número de visitas nos lares, a partir de sexta-feira, anunciou hoje o Governo Regional.

Na terça-feira, o líder do executivo indicou que as medidas mais restritivas de combate à pandemia seriam aligeiradas a partir das 00:00 de sexta-feira, sem, no entanto, indicar quais.

Hoje, questionado sobre o assunto à margem de uma visita a uma loja nos arredores do Funchal, Miguel Albuquerque anunciou que os espaços de animação noturna vão poder reabrir para “vacinados e recuperados” da doença.

Nos eventos em espaços interiores com a presença de mais de 100 pessoas, acrescentou, “é obrigatória a testagem antigénio”, acontecendo o mesmo em iniciativas no exterior com mais de 500 pessoas.

Também vão cair as restrições ao número de visitas nos lares, mantendo-se, no entanto, a obrigatoriedade de realização de teste antigénio.

Sobre o uso de máscara, Miguel Albuquerque indicou que “o que vai mudar é no exterior”, deixando de vigorar a “recomendação imperativa, com exceção dos locais onde não é possível manter distanciamento”.

Contudo, indicou que as autoridades regionais recomendam que “as pessoas idosas e com outras patologias continuem a usar as máscaras para sua proteção”.

“Nos espaços interiores continua a ser obrigatório uso de máscara”, sublinhou.

Outra das deliberações que deverão ser tomadas na quinta-feira na reunião semanal do Conselho do Governo Regional prende-se com a operação de rastreio aos passageiros no Aeroporto da Madeira.

“Não vamos desmontar o aparato todo [no Aeroporto da Madeira] porque temos de continuar a fazer ‘check-up’, mas vamos adaptar à situação”, disse.

Até 1 de novembro continuam em vigor os contratos celebrados com os laboratórios de Lisboa e Porto para a realização de testes PCR, sendo a partir daquela data exigido apenas teste antigénio.

O presidente do Governo Regional argumentou que o aligeirar das medidas é uma decisão baseada na redução do número de infetados e no facto de ser “residual” o número de pessoas hospitalizadas nas unidades dedicadas à doença.

Na terça-feira, segundo os dados divulgados pela Direção Regional de Saúde (DRS), foram sinalizados 11 novos casos na Madeira, havendo 76 situações ativas e oito pessoas internadas no Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, uma delas na unidade de cuidados intensivos.

A covid-19 provocou pelo menos 4.853.570 mortes em todo o mundo, entre mais de 238,15 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, de acordo com o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.056 pessoas e foram contabilizados 1.076.358 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.