Louça preta de Molelos é o primeiro produto artesanal certificado em Tondela

Data:

Os oleiros de Molelos receberam as primeiras etiquetas de certificação da louça preta, o primeiro produto artesanal certificado no concelho de Tondela, que distingue o barro cozido de forma tradicional ou em forno normal.

É o primeiro produto certificado por uma entidade certificadora, que obriga a uma série de procedimentos, nomeadamente à publicação em Diário da República, e encerra todo um processo com a entrega das etiquetas aos oleiros”, referiu o vice-presidente da Câmara de Tondela.

Pedro Adão explicou que a certificação teve início em 2019 e, “depois de alguns atrasos em 2020, por força da pandemia, finalmente hoje, em parceria com todos os oleiros, os produtos vão para a rua com certificação”.

“A louça preta de Molelos é um produto que está mais do que no mercado, tem o potencial que tem, e é precisamente para garantir a sua continuidade que foi certificado, porque vai dar a capacidade de entrar noutros mercados e garantir a exclusividade do produto”, defendeu Pedro Adão.

Esta certificação tem duas etiquetas diferentes: “Uma é para os produtos cozidos de forma tradicional, em forno a lenha ou até na ‘soenga’, o processo ainda mais antigo e tradicional, em que as peças são cozidas em buracos na terra, e uma segunda é para a louça cozida em forno normal, para que o cliente saiba o que está a comprar”.

Apesar de haver mais locais no país com barro preto, Pedro Adão destaca que com esta certificação está “referenciada a um território próprio, Molelos”, freguesia de Tondela e “é exclusivo a este território e não há mais nenhum igual”.

“É produzido neste território, com o barro deste território e com a tradição que se mantém no território. Há todo um manual de certificação que os oleiros têm de cumprir e que garantem que não haverá concorrências desleais do produto”, assegurou.

No seu entender, a certificação tem “uma importância enorme” e é “uma proteção ao artesanato e do artesão”, neste caso, de cinco olarias, e cerca de oito artesãos, que trabalham a louça preta de Molelos e que receberam as primeiras etiquetas para os seus produtos.

O processo foi “todo suportado pela Câmara” e envolveu todos os artesãos e as entidades responsáveis, entre elas o Instituto de Emprego e Formação de Portugal (IEFP) , que “obriga a uma série de procedimentos, nomeadamente à publicação em Diário da República”.

Uma certificação que o vice-presidente da Câmara disse também que vai fazer com que “as entidades responsáveis continuem a acompanhar o trabalho dos artesãos” e “verifiquem no local o cumprimento do manual” de certificação.

Fotografia https://7maravilhas.pt/portfolio/louca-preta-de-molelos/

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.