A inteligência artificial numa viagem ao futuro 

Data:

Poderá a mente humana ser implantada na inteligência artificial, sem constituir uma séria ameaça para a nossa espécie?

Poderá a mente humana ser implantada na inteligência artificial, sem constituir uma séria ameaça para a nossa espécie?Não creio que no início exista esse perigo, mas com toda a certeza que a ciência não vai deixar esse desafio para trás; porque não havendo um controle global sobre essa eventualidade, não é possível saber o que estão ou vão fazer países fechados à informação como é o caso da China; que é precisamente o país, que nesse domínio possa estar mais avançado; com o Japão e os Estados Unidos a formarem a trilogia dos países mais avançados neste domínio. 

A Inglaterra, França e Alemanha para não ficarem para trás, não lhes resta outra alternativa senão avançar rapidamente para a robotização global, porque está muita coisa em jogo incluindo a segurança dos EUA e da Europa; que para não poderem o controle do Espaço, e a supremacia na defesa das suas Nações terão que avançar rapidamente na Inteligência Artificial.

O estudo do cérebro humano, tem evoluído em simultâneo com a inteligência artificial onde o objetivo final será a ciência conseguir o backup da mente humana.

Para que num futuro próximo a máquina não fuja ao controle da humanidade, o que poderia conduzir a cenários imprevisíveis para a segurança da nossa espécie, elas terão que ser construídas de forma a não serem confundidas com os seres humanos.

O cenário de um futuro em que as máquinas inteligentes poderão dispensar a humanidade, não está fora de causa; e embora que a longo prazo venha a ser inevitável, a ciência tudo fará para adiar o que será o fim dos humanos, e de milhões de outras espécies que connosco partilharam o Planeta Terra; porque simplesmente deixam de ter utilidade, quando o homem perder a sua tutela. 

Mesmo que por um curto período a coexistência humano/máquina possa afastar qualquer conflito entre as inteligências artificial e biológica, a máquina acabará por dominar aquele que foi o seu progenitor. 

Inicialmente domesticada pelos humanos, a máquina inteligente será de grande utilidade; mas a sua aceitação deixará de ser pacífica, quando centenas de milhões de postos de trabalho forem substituídos pela inteligência artificial; provocando uma devastação social global, quando abranger todas as classes sociais.

No início as máquinas inteligentes não terão direitos; mas serão protegidas através de normas jurídicas, que vão acompanhar a sua evolução; aliás, a ciência adianta como necessário um regulamento que limitará o seu desempenho, para que os humanos sejam poupados; mas essa será uma curta e conflituosa transição. 

Uma mente digital dentro de uma máquina poderia ser o último dos capítulos de uma evolução transitória, que já se encontra em estudo nos laboratórios científicos; o que irá colidir com grandes obstáculos de natureza ética, social e religiosa que temem que a evolução da inteligência artificial, possa ser uma séria ameaça para a espécie humana. 

Por exemplo; a resposta de uma máquina inteligente para acabar com o aquecimento global no Planeta, incidia sobre a principal causa, indo de imediato à raiz do problema que são os humanos.

Muitos de nós, pensa que os riscos que temos que enfrentar pela nossa dependência dos sistemas inteligentes são elevados, mas esta já é uma realidade sem retorno; e de que as máquinas rapidamente se tornam muito mais inteligentes que os humanos, também é um facto incontornável; porque existem estudos e investigações que o provam, mas que ainda não são de conhecimento público porque iria desencadear um grande desconforto, que nos colocaria numa posição de seres inferiores perante as máquinas; uma situação de que não tenho a mínima dúvida, que com toda a certeza irá acontecer. 

Atualmente somos nós humanos que controlamos o destino dos outros animais, que só sobrevivem se nós quisermos; o mesmo farão as máquinas inteligentes connosco, quando deixarmos de ter qualquer utilidade para elas. 

A nossa dependência da máquina é uma realidade que não terá retorno; sem que nos apercebamos, elas já são as responsáveis por mais de 70% dos desempregos em todo o mundo; que os sistemas sociais vão colmatando com subsídios e reformas antecipadas, uma prática que a máquina porque (desprovida de sentimentos), acabaria com toda a certeza. 

Nos últimos 25 anos (uma geração) 60% do desemprego nos EUA foi devido à automatização dos serviços, onde os humanos em parceria com a máquinas ainda detêm o seu domínio; mas em alguns casos uma só unidade, pode hoje fazer mais trabalho que 300 homens fariam há 150 anos; e se avançarmos no tempo, imaginemos o que será daqui a 500 anos em (2521). 

Os humanos por decisão própria vão deixar de ser a única inteligência dominante na Terra; os dados estão lançados, e deles vamos retirar todas as consequências; entre elas, aquela que nos pode levar à nossa própria extinção. 

Joaquim Vitorino
Astrónomo Amador

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.