Portugal em “condições de avançar” para terceira fase do desconfinamento

Data:

O primeiro-ministro anunciou hoje que o país está “em condições de avançar” para a terceira e última fase do desconfinamento e adiantou que, na próxima semana, deverá ser atingida a meta de 85% da população com a vacinação completa.

“Estamos agora em condições de poder avançar para a terceira fase” do plano de alívio das restrições impostas para controlar a pandemia que começou a ser implementado a 01 de agosto, referiu António Costa, em conferência de imprensa, após o Conselho de Ministros.

O primeiro-ministro disse que neste momento, Portugal tem uma taxa de vacinação completa de 83,4% da população.

“De acordo com as previsões da `task force´, ao longo da próxima semana é previsível que alcancemos a taxa de vacinação que tínhamos fixado como objetivo, de 85% da população portuguesa vacinada”, adiantou António Costa.

Segundo dados comparativos internacionais, Portugal está em “primeiro lugar na percentagem de população com vacinação completa, bastante à frente de vários outros países da Europa (…) e também de outros países do mundo”, avançou ainda o primeiro-ministro.

Na conferência de imprensa, António Costa recordou que este plano de retoma da normalidade das atividades foi desenvolvido “em função do que era previsível ser a execução do plano de vacinação”, que, em 01 de agosto, estava com 57% da população totalmente vacinada.

A segunda fase do desconfinamento arrancou também em agosto, numa altura em que 70% dos portugueses já tinham a vacinação completa contra o vírus SARS-CoV-2.

“Aquilo que, entretanto, decorreu permitiu-nos confirmar as condições para avançarmos para a segunda fase e estamos agora em condições de avançar para a terceira fase”, salientou António Costa.

De acordo com o primeiro-ministro, a evolução da incidência e do risco de transmissibilidade do vírus (Rt) estão hoje “muito próximos” dos valores que estes indicadores registavam em 09 de março, quando se iniciou o primeiro desconfinamento, que foi, entretanto, suspenso.

“Temos hoje uma taxa de incidência de 140 pessoas infetadas por 100 mil habitantes, quando então tínhamos 118, e temos agora um Rt de 0,81, quando tínhamos então 0,78”, adiantou António Costa, para quem a “grande diferença tem a ver com o impacto da vacinação”.

Atualmente já não se verifica “praticamente distinção entre a taxa de incidência em função das faixas etárias”, o que confirma que a vacinação “foi e é determinante” para continuar a baixar os números da pandemia, adiantou.

Para António Costa, a redução da incidência e do Rt “teve um impacto muito positivo” também na gravidade da doença, estando hoje internadas por covid-19 um total de 426 pessoas e 75 em unidades de cuidados intensivos, um “nível reduzidíssimo” em comparação a outros períodos da pandemia.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.938 pessoas e foram contabilizados 1.064.876 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.