Expedição recriou a tradição secular do transporte de “neve” da Serra da Estrela até Lisboa

Data:

O gelo da Serra da Estrela chegou hoje a Lisboa e até foi ‘saboreado’, numa expedição que recriou a tradição secular do transporte de “neve” para a realeza, agora com ‘pickups’ a fazerem as vezes das carroças de bois.

O projeto, organizado pelo Clube Escape Livre, da Guarda, em parceria com a Marinha do Tejo e a Toyota, procurou recriar aquele que teria sido o percurso com cerca de 400 anos do transporte de gelo (“neve”) da Serra da Estrela até Lisboa, durante os meses de maior calor, para assegurar gelados e água fresca à realeza.

Sem carroças de bois nem mulas, boa parte do percurso fez-se com ‘pickups’ todo-o-terreno, que receberam na quinta-feira de manhã, junto do Covão D’Ametade, na Serra da Estrela, “a neve”, que na verdade era gelo criado pela própria organização para o efeito, face à falta dele por esta altura no ponto mais alto de Portugal continental.

Recriação histórica do transporte da neve da Serra da Estrela para a cidade de Lisboa como acontecia em 1614, Lisboa, 6 de agosto de 2021. O carregamento da neve que ia inicialmente da Serra da Estrela, para Lisboa, com vista a fazer sorvetes para a Corte. O transporte da neve era feito em carroças até ao Tejo e depois seguia em barcas até ao Terreiro do Paço. Este trabalho iniciava-se no primeiro de maio e prolongava-se até ao último dia de setembro. MÁRIO CRUZ/LUSA

Depois de uma pequena encenação, as carrinhas seguiram caminho, passando pela Serra da Gardunha, a aldeia histórica de Castelo Novo, Constância e Almeirim, onde se juntou à expedição a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, que fez questão de ir ao volante de uma das carrinhas que transportava o gelo.

Já hoje, na Moita, um barco varino (embarcação antiga muito usada no Tejo para transporte de carga e que também foi utilizada para a neve) partiu com cerca de 100 quilos de gelo, tendo como destino o Cais das Colunas.

Apesar de algum receio da equipa, os blocos de gelo, acondicionados em serapilheira para se conservar (tal como acontecia há 400 anos) e armazenados em caixas de esferovite, lá aguentaram a viagem de mais de 24 horas sem se derreterem.

Depois de a comitiva ser recebida à chegada a Lisboa por atores vestidos à imagem do século XVIII, seguiu-se uma “degustação” do gelo no Martinho da Arcada.

“Está maravilhoso”, disse a ministra, enquanto provava o gelo acabado de picar naquele café bicentenário também associado a este percurso, já que quando nasceu era conhecido como “Casa da Neve”, por vender “neves” com sabores, e que no século XVIII envolveu-se numa contenda com outro histórico, o Marrare, que reclamava também um pedaço do gelo que chegava a Lisboa.

A contenda acabou por ser resolvida pelo próprio Marquês de Pombal, contou o físico e “pai” do primeiro satélite português Fernando Carvalho Rodrigues, que lançou o desafio ao Escape Livre para este percurso depois de ter descoberto um objeto que era usado para fazer uma espécie de gelado rudimentar.

Segundo o próprio e sustentado por documentos históricos consultados na Torre do tombo, desde o século XVII, ainda durante a dinastia filipina, seria assegurado o transporte de neve, com direito a nomeação de um neveiro-mor, responsável por uma empreitada que levaria centenas de quilos de neve para a capital.

Se ao princípio a neve ia apenas para a corte portuguesa, cedo se popularizou, estando até o hábito de “tomar neve” inscrito na literatura portuguesa, pela mão de Eça de Queirós.

Em 1877, na “Tragédia da Rua das Flores”, uma personagem diz: “É laranja e morango; delicioso, é da melhor neve que tenho tomado este ano”.

O varino “O Boa Viagem” durante a recriação histórica do transporte da neve da Serra da Estrela para a cidade de Lisboa como acontecia em 1614, Lisboa, 6 de agosto de 2021. O carregamento da neve que ia inicialmente da Serra da Estrela, para Lisboa, com vista a fazer sorvetes para a Corte. O transporte da neve era feito em carroças até ao Tejo e depois seguia em barcas até ao Terreiro do Paço. Este trabalho iniciava-se no primeiro de maio e prolongava-se até ao último dia de setembro. MÁRIO CRUZ/LUSA

O percurso agora feito é um caminho “imaginado” daquilo que poderia ter sido trilhado pelas carroças, que eram trocadas por embarcações no Zêzere, caso estivesse navegável, e daí seguia-se rio abaixo até Lisboa, ou, não sendo tal possível, a expedição seguia até ao porto do Tejo mais próximo para continuar a viagem por água, explicou à agência Lusa o presidente do Escape Livre, Luís Celínio.

Ao contrário por exemplo da Serra da Lousã, na Serra da Estrela não são conhecidos poços específicos feitos para acondicionar a neve, acreditando-se que esta seria guardada quer no Covão D’Ametade quer em Valezim, no concelho de Seia, onde era compactada e transformada em grandes blocos de gelo em buracos e zonas sem acesso à luz do sol, podendo manter-se aí conservada durante os meses mais quentes do ano, aclarou o responsável por aquele clube que procura promover a região da Guarda através do automóvel.

Depois deste primeiro teste e apesar de ainda nada estar definido, Luís Celínio admitiu que esta recriação do transporte do gelo poderá transformar-se num produto turístico, por forma a assegurar “este passeio nos próximos anos para participantes de todo o país que queiram conhecer esta tradição secular”.

“Este percurso permite perceber melhor como é que no passado o gelo e a neve chegavam a Lisboa e iam para os hospitais e para os cafés e também para a corte. Se no passado o interior tinha recursos de enorme valor, este ato simbólico é também um testemunho do extraordinário valor que os recursos do interior têm e há que valorizá-los e há que olhar para eles com inovação”, afirmou à Lusa Ana Abrunhosa.

Para a ministra, o percurso “tem um imenso potencial” para poder ser transformado num produto turístico.

“Uma rota propicia um percurso com experiências diversificadas. Se aliado às experiências tivermos a nossa história para contar, é uma rota perfeita”, frisou, destacando ainda este percurso por unir a serra à capital, num caminho que poderá também ajudar a conhecer outros recursos como o vinho ou a gastronomia.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.