Governo alarga a residentes no estrangeiro programa de apoio à mobilidade para o interior

Data:

As pessoas residentes em países estrangeiros que decidam mudar-se para o interior de Portugal para trabalhar, vão poder aceder à medida Emprego Interior MAIS – Mobilidade Apoiada, anunciou o Governo.

Em nota de imprensa enviada à agência Lusa, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS), lembra que, ao abrigo desta medida, “é atribuído um apoio financeiro direto de até 4.827 euros a quem se muda do litoral para o interior de Portugal para trabalhar”.

“No caso dos cidadãos residentes em países estrangeiros, a mudança passará a poder ser feita diretamente do exterior para estes territórios do interior”, lê-se no comunicado.

Citada na nota, a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, diz ser “fundamental criar condições para fixar jovens no interior”.

“Com este alargamento, damos um importante passo para o posicionamento internacional de Portugal como um destino a partir do qual se pode trabalhar para qualquer ponto do mundo”, refere a governante.

Também citada no comunicado, a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, assinala que a pandemia de covid-19 “mostrou a muitos cidadãos e empresas que, trabalhando a partir do Interior, se consegue maior qualidade de vida e uma mais fácil conjugação entre vida familiar e vida profissional”.

“Alargar estes apoios a cidadãos estrangeiros é mais uma forma de contribuir para a atratividade e competitividade destes territórios”, argumenta.

No texto, o MTSSS recorda que a medida Emprego Interior MAIS – Mobilidade Apoiada está disponível há cerca de um ano, desde Agosto de 2020, tendo sido já recebidas 560 candidaturas, “que correspondem a 980 pessoas (incluindo os elementos do agregado familiar dos candidatos)”.

Segundo os dados divulgados, “a maior parte das candidaturas” – dois terços do total, 66% – está associada a processos de mobilidade com origem nos distritos de Lisboa (38%), Porto (17%) e Setúbal (11%).

Os distritos de destino, são, de acordo com a mesma informação, Castelo Branco (20%), Évora (9%), Guarda (9%), Bragança (8%) e Portalegre (8%).

Outros dados revelam que mais de dois terços (68%) dos candidatos ao programa de apoio “mudaram-se para o interior para trabalhar por conta de outrem, 26% criaram o seu próprio emprego e 6% criaram empresas”.

“Os distritos de destino com maior proporção de candidatos que criaram o próprio emprego são Braga (43%), Bragança (37%), Vila Real (32%) e Viseu (32%). Já os distritos de destino com maior criação de empresas são Aveiro (33%), Setúbal (19%), Faro (15%) e Viana do Castelo (13%)”, assinala o Governo.

Ainda segundo a nota, a maioria dos candidatos com processos aprovados (52%) “tem menos de 34 anos” e, no total, 63% dos candidatos com processo de mobilidade para o interior têm o ensino superior.

Sobre o apoio financeiro, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social frisa que, no total, “o apoio pode ascender a 4.827 euros”.

“O apoio financeiro direto a conceder a quem se mudar para o interior é de 2.633 euros, a que acresce uma majoração de 20% por cada elemento do agregado familiar (até ao limite de 1.316 euros). É ainda comparticipado o custo de transportes de bens, até ao limite de 878 euros”, sustenta.

De acordo com o Governo, a medida Emprego Interior MAIS – que tem financiamento assegurado por fundos europeus – integra o programa Trabalhar no Interior, “que é dinamizado por várias áreas governativas e coordenado pela área da Coesão Territorial”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.