Castelo de Óbidos, a Vila Natal…

Data:

A construção militar do Castelo de Óbidos é de origem islâmica e cristã, sendo a primeira referência de reformulação das muralhas atribuída a D. Sancho I, com o prolongamento do Castelo para sul até à Torre do Facho, onde adquiriu a configuração atual.

As imponentes muralhas vistas do lado norte, são a prova da importância que elas tinham na defesa do território na era medieval e até à consolidação da independência de Portugal. A Monumental riqueza arquitetónica e paisagística, com a beleza ímpar do traço arquitetónico das suas muralhas, e o típico casario das ruas estreitas empedradas transformaram o Castelo de Óbidos no local mais visitado do Oeste.

Na antiguidade foi ponto de encontro de civilizações e entreposto de comércio, onde muçulmanos e cristãos conviveram lado a lado como provam muitos documentos, em que as duas religiões coabitavam pacificamente.

Este idílico Castelo é uma viagem ao passado e um convite a reviver as origens do povo que hoje somos. Quando das invasões (vikings) vindas do norte da Europa, que espalharam o terror com mortes violações e pilhagens, levou a uma aliança de defesa entre cristãos e árabes, uma estratégia que resultou em pleno na defesa das populações que se fixaram naquele local imediatamente a seguir ao abandono da Lusitânia pelos romanos.

Foi precisamente a seguir a este acontecimento que a muralha de Óbidos teve um papel fundamental nas conquistas de Lisboa e Santarém e na contenção das incursões dos normandos. O nome Óbidos, que quer dizer ‘cidade fortificada’, teve a sua origem posterior às primeiras muralhas a norte, ainda sem a cidadela.

Durante muitos anos houve um grande despovoamento do território com o abandono dos romanos, o que veio a incentivar o avanço árabe na península Ibérica a sul do rio Mondego e até ao Algarve e toda a Andaluzia – onde durante Séculos será mantido o bastião muçulmano nas cidades de Sevilha, Córdova e Granada.

Muito se tem especulado sobre as origens deste belíssimo Castelo. Não existindo qualquer documentação escrita, e não tendo as características da arquitetura de origem romana, não nos deixam dúvidas de terem sido “mouros” os seus construtores – o que teve lugar imediatamente a seguir ao abandono de toda a faixa litoral dos exércitos de Roma.

As sucessivas vagas de assaltos dos nórdicos deram lugar a que as populações mouriscas e cristãs se unissem contra os invasores, o que levou D. Afonso Henriques a ter uma grande condescendência com os árabes na conquista de Lisboa – ao contrário da especulação histórica de muitas baixas, na verdade os ocupantes foram convidados a abandonar a cidade pacificamente para um local mais a sul.

Os romanos deixaram um grande legado aos novos ocupantes árabes e lusitanos, como estradas e pontes que funcionaram até aos nossos dias, mas também os árabes marcaram a sua presença, em especial na agricultura, com sistemas de rega que nos foram muito úteis, como a famosa engenharia mecânica das noras para retirar a água dos poços que tiveram um papel fundamental na alimentação das populações, e que funcionaram até meados do século XX, até que foram inventados os motores de rega.

Óbidos, não tinha inicialmente o aspeto atual: as suas muralhas iniciais eram mais baixas e formavam um quadrado e só posteriormente foi sofrendo em fases separadas a metamorfose que deu lugar ao aspeto atual da ‘Vila Fortificada’.

A construção mais antiga do Castelo não tinha torre de menagem, até que por finais do século XIV D. Fernando mandou construir a atual torre, que deixa os visitantes impressionados pela sua imponência. A decisão teve origem nas novas técnicas de guerra que foram surgindo na época, em que as armas de fogo começaram a surgir nos campos de batalha tornando praticamente nulas as de características neurobalísticas.

O Castelo de Óbidos é um fenómeno incontornável do turismo no Oeste de Portugal, que é a região que mais cresceu nos últimos anos, a proximidade com o Atlântico e as suas belas praias, a que se juntam um vastíssimo espólio cultural para visitar como bibliotecas, o imperdível museu da Vila e as belíssimas Igrejas e Capelas de elevado valor em arte sacra, colocam o Castelo de Óbidos, a ‘Vila Natal’, em destaque no grande roteiro do turismo internacional.

Joaquim Vitorino

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.