Coimbra recebe festival para debater o futuro das cidades

Data:

Coimbra recebe o Festival Cidades Resilientes em formato digital e presencial, nos dias 16 e 17 de julho, para debater o futuro das cidades com mais de 30 personalidades, anunciou a plataforma organizadora, Gerador.

O Festival Cidades Resilientes, uma parceria entre a plataforma independente de jornalismo, cultura e educação Gerador e a Câmara Municipal de Coimbra, pretende “discutir, com amplitude e pluralidade, o significado das cidades, a sua sustentabilidade e regeneração e a forma como podem ser construídas para as gerações seguintes”.

O evento terá lugar de forma presencial no Convento São Francisco, Coimbra, e nas ruas e centros da cidade e será transmitido em formato digital na plataforma cidadesresilientes.pt.

O primeiro dia, 16 de julho, contará com um debate “dedicado aos desafios das cidades do século XXI”, com o professor universitário e político Miguel Poiares Maduro e com a reflexão sobre “as consequências da pandemia para a cidade” feita pelo sociólogo e professor catedrático Carlos Fortuna e o psicólogo e vice-reitor da Universidade do Algarve, Saúl Neves de Jesus.

Durante o mesmo dia, haverá mais dois debates com Miguel de Castro Neto, professor universitário da NOVA Information Management School, Rita Lopes, investigadora no Centro de Investigação em Ambiente e Sustentabilidade da Faculdade Nova, Tiago Marques, docente e médico psiquiatra, Francisca Aires Mateus, curadora de arte, e Clara Almeida Santos, professora de filosofia, sobre “a economia das cidades do futuro” e “as cidades das novas gerações”.

O segundo dia, 17 de julho, recebe mais quatro debates sobre o “Planeamento e Sociologia Urbana”, a “Regeneração e Sustentabilidade”, a “Cultura e Educação” e “A nova Antropologia” com a participação de professores universitários, sociólogos, historiadores de arte e curadores, consultores jurídicos e gestores culturais como Paulo Peixoto, Alda Botelho Azevedo, Luís Baptista, Filipe Duarte Santos, Helena Freitas, Maria Lurdes Cravo, David Santos, Carlos Moura Carvalho, Aldara Bizarro e Catarina Marcelino.

Ainda no mesmo dia, o Festival poderá “pensar a importância do digital para as cidades”, com a presidente do Clube Criativo de Portugal, Susana Albuquerque, e o engenheiro de software, Ricardo Vitorino.

O evento estende-se ao comércio local e às ruas da cidade de Coimbra “pela particularidade geográfica de uma cidade com uma duplicidade urbana e rural”, tornando-se um “ponto de partida para repensar o conceito de cidade em 2021”.

Durante os dois dias, os visitantes poderão participar também em oficinas de personalização de sacolas, de ‘design thinking’, de aproveitamento energético e sessões de poesia.

O Festival é gratuito e contará com cinco influenciadores digitais da rede social ‘instagram’ para dinamizar e promover a cidade nas plataformas digitais.

Os lugares para assistir à programação no Convento de São Francisco e atividades do comércio local nas ruas serão limitados, seguindo as normas da Direção-Geral da Saúde.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.