Exclusão social no ensino em Portugal   

Data:

O direito no acesso ao ensino público é uma porta da igualdade, e um caminho aberto para professores e alunos que lutam pelo reconhecimento do seu trabalho e o acesso ao ensino gratuito para aqueles, que não têm condições económicas para frequentar o ensino superior privado.

 A solução só tem disponível uma única via, que é o empenho de todas as partes no combate à pobreza e exclusão por motivos económicos, dois males associados que colocam os alunos numa situação de desigualdade, desenquadrada da constituição da República que consagra o direito à escolaridade de todos os cidadãos; sendo o ensino decisivo, para sairmos do atraso a todos os níveis em que nos encontramos. 

A educação em Portugal está no ponto mais baixo de sempre; o apoio do Estado ao ensino particular, criou um fosso assimétrico entre ricos e pobres, e não resolveu uma questão de fundo; que para além de ter empobrecido o rendimento escolar dos alunos e a motivação de professores, provocou um grande desânimo em todo o país; deixando a descoberto as causas que as partes envolvidas não querem reconhecer como suas, mas que já foram identificadas. 

As dramáticas condições socio económicas de 40% das famílias portuguesas, têm um reflexo determinante no insucesso escolar; muitos dos alunos transportam para as salas de aula o “selo” da exclusão social, estando à partida condenados ao fracasso escolar; assumindo comportamentos que mexem com toda uma turma; um peso tremendo na autoestima dos professores, que ficam sensibilizados com situações que todos os dias são obrigados a enfrentar; quebrando-lhes a coragem de exigir de um aluno que chegue à aula de estômago vazio, ou que deixou em casa os irmãos com fome; tendo muitos deles, os progenitores desempregados.

O ensino, a saúde e a justiça, são os três espelhos de uma verdadeira democracia; Portugal descuidou a resposta mais importante à recuperação económica, que é investir na educação dos seus cidadãos para depois poder exigir deles. 

Os professores sentem-se ofendidos pelas deficientes condições de trabalho a que estão sujeitos, e os estudantes desiludidos e sem perspetivas de futuro, massacram os pais com um não vale a pena estudar, porque os espera o desemprego ou a emigração, que já representa um terço da população portuguesa; uma desmotivação que exige do Estado uma resposta urgente e sem vacilações; que é relançar a economia do país em detrimento da austeridade, que é um veículo de pobreza e de estagnação.  

Os professores são uma classe essencial à recuperação do país e não os podemos hostilizar; muitos em situação desesperada, deixaram-se arrastar por alguns dirigentes da classe; que os levaram a tomadas de posições de litígio com a tutela, que depois acabam por ter um efeito inverso; porque vão fortalecer o ensino privado. A tensão entre esta classe e o governo, vem agravando ainda mais as condições de empregabilidade no setor, que como consequência dá lugar à seleção e reciclagem de professores; uma medida impopular e até vexatória, para responder à fuga de “cérebros” para o ensino privado; uma estratégia política que já foi abandonada por alguns governos, e que não raras as vezes tem servido os objetivos dos representantes da classe, mas nunca os interesses dos professores.

O ensino não pode nem deve obedecer a ideologias ou estratégias políticas; porque terá sempre um efeito completamente oposto, que é alargar o ensino superior ao privado; que na atual crise do setor optam por contratar não direi os melhores, mas aqueles que para além de bem qualificados, afastaram-se de alguma demagogia sindical; preferindo o certo pelo instável ensino público. 

O ensino em Portugal tem sido um fracasso nos últimos anos; a alta tensão entre professores e a tutela não é o caminho certo para sairmos deste impasse, onde a taxa de abandono e insucesso é a mais elevada da Europa; é preciso dignificar o estatuto dos professores, e abrir a todos os alunos uma oportunidade; não podemos esquecer, que quando a escola falha é o país que está a falhar; por isso é preciso o empenho de todos os portugueses a uma reforma inteligente do ensino público; sendo mais que certo, que o benefício será para todos. É justo reconhecer, que algumas das nossas Universidades têm passado pelos intervalos da chuva; encontrando-se em paralelo com as melhores, nos campos da investigação científica.

OBS: Aos professores e alunos, em quem os portugueses, terão que apostar o futuro do seu país.

 Joaquim Vitorino  

  

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.