Cerca de 18% dos portugueses já recorreram à telemedicina

Data:

Cerca de 18% dos portugueses já recorreram à telemedicina e vão continuar a fazê-lo, revelou o Barómetro Europeu do Observador Cetelem.

Entre os portugueses que ainda não recorreram à telemedicina, são cerca de 50% os que admitem querer utilizá-la no futuro, mais 13 pontos percentuais face à média europeia (37%), adianta.

Apesar de os cidadãos terem recorrido mais à telemedicina, ainda estão céticos em relação a este serviço, sendo que apenas 43% dos portugueses estão satisfeitos com a sua qualidade no país, um valor próximo da média dos 15 países europeus (45%) onde se realizou o inquérito (Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Espanha, França, Hungria, Itália, Polónia, Portugal, República Checa, Roménia, Reino Unido, Eslováquia e Suécia).

O inquérito ‘online’ aos consumidores realizou-se entre 27 de novembro e 08 de dezembro de 2020, em 15 países, tendo abrangido 14.200 indivíduos, com idades entre 18 e 75 anos, tendo sido selecionadas de amostras nacionais representativas de cada país.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.