Governo dos Açores coloca 281 professores nos quadros da região

Data:

O Governo dos Açores vai colocar no próximo ano letivo, nos quadros da região, 281 docentes até agora contratados a termo, anunciou hoje a secretária regional da Educação, Sofia Ribeiro.

A titular da pasta da Educação considera que este “número que não encontra paralelo nos últimos anos letivos”.

Citada em nota de imprensa do Governo dos Açores, Sofia Ribeiro refere que este processo “resulta da nova estratégia do Governo Regional dos Açores do processo de identificação das necessidades definitivas do sistema educativo regional, abrindo vagas em quadros de ilha, por cada três contratações sucessivas nas escolas”.

Segundo a governante, “este resultado apenas foi possível após a revisão do Regulamento de Concurso do Pessoal Docente, dando cumprimento ao compromisso do Governo Regional de combate à precariedade docente”.

A secretária regional explicou que passaram a integrar os quadros da região “69 docentes em quadros de escola e 212 em quadros de ilha, aumentando a estabilidade laboral, familiar, económica e social destes trabalhadores”.

Para Sofia Ribeiro, “esta não é uma situação pontual”, sendo que a revisão do modelo de concursos “determina que as contratações a termo para satisfação das necessidades transitórias, que decorrem no mês de agosto, vão novamente, nos anos subsequentes, gerar mais vagas em quadros de ilha, sempre que se verificarem contratações sucessivas”.

Em 21 de junho, o presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro, disse que o executivo regional quer aumentar a motivação dos professores através da “estabilidade profissional” e destacou a integração de 600 profissionais precários na administração regional.

“Estamos a procurar garantir, através da estabilidade profissional, mais motivação [para os professores], para os próprios alunos beneficiarem do sucesso do processo de aprendizagem com estas soluções de estabilidade e motivação”, disse Bolieiro aos jornalistas.

O presidente do Governo dos Açores falava na Escola Secundária Antero de Quental, em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, a propósito do lançamento do terceiro ciclo de conferências do “Liceu d´Antero”.

O social-democrata considerou ser necessário “aumentar” a “motivação” de um “quadro estável” de professores e lembrou que o executivo regional promoveu a integração de 321 professores nos quadros de ilha e de escola na região.

“Aqueles que estarão ainda em precariedade não estarão tão motivados como os que têm a vida estável e o vínculo profissional estável. Estamos a promover, em cerca de 231 casos, já para este [próximo] ano letivo, a estabilidade com o vínculo ao quadro de ilha. São cerca de 321 no caso dos quadros geral: os de ilha e de escola”, apontou.

Em 24 março de 2021, foi anunciado que o regulamento do concurso de professores nos Açores iria passar a definir um limite de três anos à contratação sucessiva, permitindo abrir 321 vagas nos quadros das escolas da região no próximo ano letivo.

Bolieiro afirmou ainda que no, “quadro geral da eliminação progressiva da precariedade”, o Governo Regional está a realizar a integração de “mais de 600 profissionais” da administração pública regional, onde se “inclui também todos os restantes colaboradores das escolas” que não os professores.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.