Cidade de Torres Novas – Património cultural

Data:

Por António Vale (texto e fotografias)

A bonita cidade de Torres Novas contempla um vasto património cultural que passa pelo seu belíssimo Castelo, às ruínas romanas de Villa Cardílio, aos moinhos da Pena, às suas igrejas, aos seus museus e à gruta de Lapas, como principais destaques.

Sobre o Castelo de Torres Novas sabemos ao certo que D. Sancho I promoveu a construção de um recinto fortificado, destruído no século XIV no contexto das Guerras Peninsulares que caracterizaram o reinado de D. Fernando. O mesmo monarca ordenou a reparação e reconstrução da estrutura, datando dessa campanha de obras os elementos materiais mais relevantes que compõem o castelo. Fortemente danificada pelo terramoto de 1755, que terá ocasionado a derrocada de quatro torres, as décadas seguintes assistiram à reconversão funcional de alguns elementos. Em 1839, D. Maria concedeu à Câmara a plena posse do castelo.

As ruínas romanas de Villa Cardílio são Monumento Nacional desde 1967 e situam-se a 5 km da cidade. Numa visita a estas ruínas podemos fazer uma viagem ao passado envolvida em todo um mistério que a envolve. A “villa” organiza-se em torno de um vasto “peristylum”, com cerca de 20 m. de lado, rodeado por 12 colunas e centrado por recinto quadrado com 11 m. de lado, com um poço de 7m. de profundidade; rodeando esta área uma faixa de 3,50 m. de largura, distribuída por 6 tapetes de mosaico em “opus-tessellatum”, com motivos geométricos; entre os tapetes em mosaico e o recinto, uma calha de 0,5m. de largura, em “opus signinum”, o “curigum”.

As Grutas de Lapas, são umas grutas misteriosas de considerado interesse público desde 1943, e estão associadas variadas lendas, entres elas a que daria acesso, por túnel subterrâneo, ao Castelo de Torres Novas. As cavidades são originadas pelo maciço calcário e a ação cársica do rio Almonda, mas são grutas artificiais, criadas pela ação das picaretas sobre a pedra, extraindo-se facilmente o tufo calcário necessário à construção. Nos anos 30 do século XX encontraram-se, junto ao rio, artefactos neolíticos e ossadas, ponderando-se se as Grutas serviriam de abrigo a povos mais antigos que os romanos. Existem várias destas “cavernas” subterrâneas ao longo da aldeia de Lapas, que hoje suportam casas e servem de oficinas ou de caves. Uma parte destas Grutas está preservada e protegida, sendo possível uma visitação a cerca de 700 metros quadrados deste monumento natural. O resto está vedado por “paredes”, construídas pela ação humana.

Museu Municipal Carlos Reis é um fundado por Gustavo Pinto Lopes, e em 1942 foi-lhe atribuído o nome do grande pintor torrejano Carlos Reis, grande pintor local. Aqui, os visitantes podem ver e entender a história viva das civilizações e culturas que no decorrer de milhares de anos habitaram e exploraram os recursos que encontraram na região de Torres Novas. Nos seus objectos de arte expostos podemos observar materiais respeitantes à Pré-História, à Romanização, à Idade Média, à Arte-Sacra e ao traje, tal como uma completa exposição de quadros de Carlos Reis, João Reis, Maria Nery, Artur Bual e José Malhoa, entre outros grandes pintores. As suas grandes atracções de interesse turístico estão inter-relacionados, pelo que é um ponto obrigatório a visitar.

Museu Agrícola de Riachos, inaugurado em Riachos em 1989, reúne um valioso espólio representativo dos vários aspectos do modo de vida do povo riachense. Pode-se observar a casa tradicional, o lagar e a eira, a maquinaria agrícola, o traje, as artes e ofícios tradicionais. Em suma este museu representa um passado recente que se extinguiu com o aparecimento da revolução industrial.

Os Moinhos da Pena são um conjunto de vários moinhos de vento, muitos restaurados, para habitação de turismo rural. Aqui pode-se desfrutar duma bela paisagem, oferecendo um ambiente ideal para uma boa estadia. Os moinhos habitacionais são compostos por dois pisos, com um quarto (com cama de casal) e casa de banho no piso superior, e cozinha equipada com frigorífico, micro-ondas, fogão e televisão, no piso térreo.

Para relembrar os nossos antepassados, e da nossa monarquia, é possível marcar um passeio magnífico de charrete pela cidade ou pelo concelho, através da Coudelaria Rita Cotrim (reservas através do telefone 966136201) num renascer do verdadeiro turismo equestre.

Com tão rica história, esta cidade apresenta um vasto e interessante Património, não só no seu centro histórico, como em toda a sua envolvente, destacando-se assim o seu altaneiro Castelo, as Igrejas de São Salvador, de origens do século XIII, a do Carmo do século XVI, a de Santiago, a de São Pedro (século XIV), a da Misericórdia (século XVI), a Capela de Santo António (é o que resta de um antigo Convento), a Ermida de Nossa Senhora do Vale de fundação bem antiga, dizendo-se mesmo que data do período de ocupação Visigoda da região.

Junto às margens do rio Almonda, e no centro da cidade, encontramos na sua envolvência agradáveis espaços verdes e de lazer, como é o caso do Parque da Liberdade e dos Jardins do Castelo, Jardim Maria Lamas e o lindíssimo Jardim das Rosas, com relva bem cuidada, árvores de muitas espécies, ervas aromáticas como o jasmim, por onde passa o rio Almonda que forma um lago e onde se podem ver patos a nadar, num lugar muito aprazível para descansar, ler e passear.

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.