Estudo conclui que gene da juventude tem impacto na regeneração do tecido muscular

Data:

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto concluíram que a “ausência do gene da juventude” em células musculares que não se dividem tem “um impacto positivo na regeneração do tecido muscular”.

Em comunicado, o instituto do Porto afirma que a investigação, publicada na revista Cells, mostra que a ausência do gene da juventude, designado FoxM1, tem impacto positivo na regeneração do tecido muscular.

A investigadora Elsa Logarinho, do i3S, já tinha demonstrado num estudo publicado na Nature Communications que o envelhecimento das células da pele está “diretamente relacionado” com a expressão do gene FoxM1.

Citado no comunicado, o investigador Fábio Ferreira esclarece que o intuito da mais recente investigação foi “perceber melhor como é que este gene [FoxM1] controla outras funções celulares num organismo vivo”.

Nesse sentido, os investigadores usaram como modelo animal larvas de peixe-zebra, em particular, as miofibras (células mais diferenciadas e que não se dividem do músculo esquelético).

Com recurso a uma técnica de edição genética, designada CRISPR/Cas9, os investigadores editaram o genoma das miofibras do peixe-zebra, perturbando o gene FoxM1.

A equipa de investigadores “descobriu que a ausência ou perda do FoxM1 causa a morte das miofibras, mas, contrariamente ao que acontece na pele, verifica-se um aumento das células vizinhas que regeneram esses tecidos, as chamadas células estaminais ou regenerativas”, refere o i3S.

O estudo permitiu assim concluir que nas miofibras o gene tem a capacidade de “sinalizar de uma maneira indireta as células que estão ao lado”, potenciando o processo de regeneração.

Também citada no documento, a investigadora Elsa Logarinho, líder do grupo “Aging and Aneuploidy” e coorientadora do estudo, afirma que a expressão normal de FoxM1 nas miofibras “é importante para regular as células estaminais no musculo” e que os baixos níveis deste gene “causam a perda de regeneração muscular”.

No âmbito deste estudo, os investigadores descobriram ainda que a expressão da proteína Cas9 nas fibras musculares “causa morte celular”.

“Percebemos que o recurso a esta técnica de edição do genoma é, por si só, prejudicial porque induz a morte de células”, refere José Bessa, investigador do i3S que também coorientou o estudo.

Para o líder do grupo “Vertebrate Developmet and Regeneration”, esta descoberta “levanta questões quanto ao uso da tecnologia CRISPR/Cas9 em organismos vivos, em particular nos humanos”, defendendo por isso que se realizem “mais estudos sobre este tipo de manipulações do genoma”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.