Autarca de Los Salias pede a portugueses, espanhóis e italianos que ajudem venezuelanos

Data:

O presidente da Câmara Municipal de Los Salias pediu no domingo aos cidadãos de Portugal, Espanha e Itália que ajudem a Venezuela, país que “deu tudo” aos imigrantes, mas que agora precisa de apoio.

“Peço aos países a que a Venezuela abriu as portas há 40, 50 anos, em aqueles momentos tão difíceis que a Europa estava vivendo, principalmente a Portugal, Espanha e Itália, que hoje olhem para a Venezuela”, disse José Fernández.

O autarca falava à agência Lusa à margem das festividades em honra de Santo António, na Praça de Portugal, em Los Sálias (25 quilómetros a sul de Caracas), e que evocaram ainda, localmente, o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

“A Venezuela está passando muito mal. Hoje, nós, os venezuelanos, estamos passando muito mal e este país abriu as portas a todos”, frisou.

O político explicou que fala “dos portugueses porque vieram para a Venezuela e trabalham de 18 a 20 horas por dia, de segunda a domingo”, tendo sido “fundamentais” para levantar o país, ” que também deu tudo às comunidades que chegaram”.

Fernández acrescentou que há um ano e meio visitou vários municípios espanhóis para pedir medicamentos: “porque naquela altura não conseguíamos em lugar nenhum”, o que acontece agora, através duma fundação.

Segundo o autarca, atualmente há “vizinhos que estão em Portugal e conhecem a realidade”, pelo que qualquer ajuda “é muito importante”.

José Fernández disse estar honrado de participar nas celebrações e que “parte da comunidade de Los Sálias, de Santo António, é portuguesa”.

“Sou descendente de espanhóis, de galegos. Estudei em Espanha e conheço muito bem a Europa, mas tenho raízes na Venezuela e sinto que há muita necessidade nos venezuelanos. Por isso apelo a estes países, com tanta sensibilidade humana, que nos deem uma ajudinha, porque em breve recuperaremos a democracia, vamos reconquistar aquela Venezuela dos nossos pais e avós, mas, precisamos de ajuda”, frisou.

O político disse ainda ter ouvido que há “16 milhões de portugueses e que seis milhões deles emigraram nos últimos 30, 40 anos”, mas sublinhou que “nos últimos cinco anos, sete milhões de venezuelanos” abandonaram o seu país.

Por outro lado, lamentou que “principalmente na América Latina”, de onde também recebem “peruanos, chilenos, colombianos, paraguaios, argentinos” se esteja “a fechar as portas aos venezuelanos”, o que considera “muito injusto”.

“Não é o caso de Portugal, da Espanha e Itália, que vi que tratam bem os venezuelanos, os apoiam, dão-lhes trabalho (…), mas aqui estamos passando muito mal e peço que se lembrem do pai, do avô, que vieram para aqui e ajudem a Venezuela, porque a Venezuela continuará a apoiá-los”, frisou.

Por outro lado, lamentou que, sendo a Venezuela um país petrolífero e com muitos recursos naturais, esteja “tão mal, simplesmente por uma questão ideológica”, e acusou o regime de ter destruído “o país, a sua economia, a empresa petrolífera, o (…) arco de mineração, o comércio”.

Fernández afirmou ainda que os venezuelanos emigraram “porque não tinham como sobreviver” a “um projeto ideológico, que é semelhante ao cubano,” pelo que é preciso apoio da comunidade internacional, salientou.

Sobre o futuro diz que visualiza essa Venezuela que viveu quando criança em que teve “todas as possibilidades de estudar”.

“Fui e digo com orgulho, filho de uma ‘concierge’ [porteira], de imigrantes espanhóis. (…) A minha mãe pagou-me os estudos, desenvolveu-me como ser humano. Visualizo essa Venezuela, mas, enquanto lutamos, esperamos que nossos irmãos de todo o mundo nos ajudem”, concluiu.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.