Chef Alexandre Silva distinguido com o prémio ‘Chef do Futuro’ pela Academia Internacional de Gastronomia

Data:

O ‘chef’ português Alexandre Silva, com uma estrela Michelin no seu restaurante ‘Loco’, foi distinguido com o prémio ‘Chef do Futuro’ pela Academia Internacional de Gastronomia, atribuído a cozinheiros promissores a nível mundial.

O ‘chef’ português Alexandre Silva, com uma estrela Michelin no seu restaurante ‘Loco’, foi distinguido com o prémio ‘Chef do Futuro’ pela Academia Internacional de Gastronomia, atribuído a cozinheiros promissores a nível mundial.A distinção ‘Chef de l’Avenir’ “tem um significado especial”, após mais de um ano de pandemia de covid-19, que obrigou ao encerramento da restauração durante vários meses, disse à Lusa Alexandre Silva, à frente dos restaurantes ‘Loco’ e ‘Fogo’.

“As equipas que trabalham comigo precisavam de um reforço. [Mostra] que estamos no bom caminho, apesar das dificuldades que temos encontrado neste último ano e da vontade de, às vezes, desistir disto tudo”, afirmou o ‘chef’ português, 40 anos.

Alexandre Silva comentou que, após a reabertura dos dois restaurantes, está surpreendido com a resposta dos clientes.

“As coisas estão a andar mais depressa do que aquilo que nós prevíamos, na verdade, o que é muito bom. E este prémio é um reforço disso tudo. Sinto que as pessoas estão com vontade de regressar ao restaurante”, referiu, descrevendo que chegam também cada vez mais clientes estrangeiros.

Sobre o prémio, Alexandre Silva admitiu ter recebido a notícia com surpresa.

“Espero que este prémio também traga mais [clientes] ainda e que também ajude a promover Lisboa e Portugal, lá fora. É sempre bom ter um cozinheiro reconhecido a nível internacional, é ótimo para o país”, disse.

Alexandre Silva descreve a sua cozinha como baseada no “produto e no ADN português” e inspirada “nas viagens e nos antepassados”.

Um trabalho que tem desenvolvido no ‘Fogo’, apostando totalmente na confeção pelo fogo.

“É recuperar um processo em que somos exímios. A nossa tradição gastronómica vem toda do fogo, cozinha com fogo, fornos a lenha, fogo aberto, potes de ferro… As coisas foram desaparecendo e infelizmente ninguém fala sobre o assunto, mas devia ser falado”, sublinhou.

Segundo um comunicado a que a agência Lusa teve acesso, a Academia Internacional de Gastronomia distinguiu também, em Portugal, o ‘sommelier’ André Figuinha (restaurante ‘Feitoria’, Lisboa, uma estrela Michelin) e o pasteleiro João Picão, do ‘JNcQuoi’ (Lisboa).

O prémio Multimédia foi atribuído ao programa “A Nossa Cozinha”, de Maria José de Sousa, e o de Literatura Gastronómica à obra “História dos Paladares”, de Deana Barroqueiro.

A nível internacional, o Grande Prémio da Arte da Cozinha foi entregue ‘ex-aequo’ a todos os nomeados, uma decisão excecional que se deveu à situação provocada pela pandemia.

Os distinguidos são: Peter Goossens, restaurante ‘Hof van Cleve’ (Bélgica); Toño Pérez, restaurante ‘Atrio’ (Espanha); Guy Savoy (França) e Antonia Klugman, restaurante L’Argine a Venco’ (Itália).

A Academia Internacional de Gastronomia saudou “a coragem e resiliência do setor na atual situação vivida, nomeadamente em virtude das restrições de funcionamento, ou de encerramento administrativo, dos espaços de restauração” e salientou “a importância da continuidade da sua atividade em moldes, porventura, adaptados”.

“Sem a sua atividade, o mundo não será seguramente tão festivo ou convivial”, considerou a academia.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.