Escola em Évora com 410 alunos em casa por suspeita de professor infetado

Data:

Mais de 400 alunos do 10.º ao 12.º anos da Escola Secundária Severim de Faria, em Évora, estão desde hoje em ensino à distância, por suspeitas de covid-19 por parte de um professor, revelou fonte do estabelecimento.

“Está em causa a situação de um professor, que fez o teste” ao novo coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19, mas “cujo resultado ainda não chegou”, disse Marta Rebocho, da Comissão Administrativa Provisória (CAP) da escola, em declarações à agência Lusa.

Segundo a mesma responsável, devido a este caso suspeito de covid-19, “a autoridade de Saúde e a delegada regional” da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) “indicaram que era melhor enviar para casa todas as turmas do ensino secundário”.

Por isso, desde hoje, “410 alunos”, pertencentes “às 16 turmas do ensino secundário” do estabelecimento de ensino que é sede do Agrupamento de Escolas Severim de Faria, “estão em casa, em ensino à distância, por precaução”, precisou Marta Rebocho.

“Não havia hipótese de estarem aqui a ter aulas e decidiu-se que deviam ir todas as turmas do secundário. Será mesmo só por precaução, até termos o resultado do teste” feito ao professor, sublinhou, realçando, contudo, que “a escola não está fechada”.

Além destes alunos, na Escola Secundária Severim de Faria, que leciona desde o 7.º ano até aos cursos profissionais, possuindo um total de 801 estudantes, há uma outra turma, do 8.º ano, que já se encontrava confinada, antes deste caso.

“Temos uma turma do 8.º que está confinada, até ao próximo dia 04 de junho, porque tem um caso positivo [de covid-19] de uma criança”, indicou.

Já esta semana, na segunda-feira, igualmente em Évora, foi revelado que a Escola Secundária Gabriel Pereira tinha encerrado, uma vez que sete turmas estão em isolamento profilático devido a um surto de covid-19 detetado entre os alunos.

Neste momento existem “três casos confirmados” de infeção entre alunos do ensino secundário, em turmas que foram colocadas em isolamento “até aos dias 01, 03 e 04 de junho”, mas foram detetados contactos de alto risco com os infetados em, pelo menos, mais quatro turmas, disse à Lusa o diretor, Fernando Martins.

“Considerando a necessidade de manter as condições de segurança a todos os utentes, ficou determinada a passagem do 9.º ano e do ensino secundário, regular e profissional, para o ensino à distância durante os próximos dias”, segundo um comunicado da DGEstE enviado aos encarregados de educação.

O regime de ensino à distância continuará em vigor até serem conhecidos os resultados dos testes a todos os alunos e professores das turmas em isolamento, após o que será feita uma reavaliação da situação.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.487.457 mortos no mundo, resultantes de mais de 167,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.022 pessoas dos 846.434 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.