Gisela João estreia-se como autora em novo álbum “Aurora”

Data:

A fadista Gisela João estreia-se como autora no álbum com o álbum “Aurora”, no qual assume a coprodução com Nic Hard e Michael League.

“Aurora” foi gravado entre Lisboa e Barcelona, e esteve para sair no ano passado, tendo sido adiado devido à pandemia.

“Decidimos adiar o álbum, pois que direito eu tinha para falar de mim, pensar no meu umbigo, numa altura em que tentávamos sobreviver”, disse a fadista à agência Lusa, que reconheceu, neste período de confinamento, ter tido saudades do ambiente do palco, “do público, dos colegas, das pessoas que preparavam o palco, conhecer os técnicos dos espaços onde ia cantar”.

Gisela João afirmou que “têm sido tempos muito duros para a cultura”, um dos setores mais penalizados.

O tema que abre o disco, “Tábuas do Palco”, na melodia do fado menor, com arranjos de Michael League, explica essa sua forte ligação aos ambientes do espetáculo.

“A Capicua [autora do poema] compreendeu muito bem a minha forma de estar, e deu-me este poema já há algum tempo”, contou.

“Tábuas do Palco I” é assinado por Capicua, a quem não regateia elogios, apontando-a como uma das “que melhor escreve”, pela “capacidade de contar uma história” e este tema surge em três momentos do álbum, como que o tripartindo.

Gisela João explica: “O CD está conceptualmente pensado, há um primeiro momento que corresponde à porta, à entrada no espaço, conhecendo-o, há depois o palco propriamente dito, onde surgem as nossas vivências, memórias, e um terceiro momento” que termina no “Tábuas do Palco III”, também no fado menor com arranjos de League, e o poema de Capicua, autora que cantou nos seus dois álbuns anteriores, “Gisela João” (2013) e “Nua” (2016).

Gisela João assina o poema de “Canção do Coração” e a música em parceria com Justin Stanton, e também o poema de “Budapeste”, com música, igualmente sua em parceria com League.

Esta foi “uma experiência nova”, que lhe deu um “melhor conhecimento do fado”.

No tocante às palavras, a fadista prefere falar em poemas e não em letras.

Os outros autores que canta são a dupla João Monge/António Zambujo, Carlos Paredes, José Fialho Gouveia, Maro, Hernâni Correia, Marco Pombinho e Jorge Cruz.

A fadista disse à Lusa que o processo de conceção do álbum começa por “juntar todas os poemas, muitos, mesmo”, seguindo-se a escolha, trabalhar as músicas, depois os tons em que os vai cantar, até “ter a ideia da história que o álbum vai contar”.

“Tenho que me sentir naqueles temas, enquanto pessoa, ver como vai soar, se sou capaz de servir o propósito daquela canção, reconhecer os silêncios, saber dosear os tempos, não dar um nota alta onde não é preciso, nem tudo deve ser interpretado nesse tom, há versos que ganham muito mais num tom menor, e os silêncios não podem ser excessivos ou em excesso, tudo deve ter uma conta certa”, argumentou Gisela João referindo que “o mais importante é a canção” ela é que vai sobreviver, “ela é que importante”.

“Aurora”, disse, “será talvez o [álbum] mais intimista” que fez, e acrescentou: “Gosto tanto do nome Aurora e o que ele significa, primeira luz da manhã, renovação, rejuvenescimento que se um dia tiver uma filha vou chamar-lhe Aurora”.

Gisela João afirmou que faz o seu próprio caminho, e reconheceu que este álbum “é mais tecnológico, e havia que passar para esses instrumentos, esse sentimento de que é feito o fado”, o que constituiu um desafio.

Entre outros temas que compõem o álbum, Gisela João referiu-se a “Não fico para dormir”, de José Fialho Gouveia, com música composta por Magda Giannikou e Michael League. “A música foi feita durante um jantar, mudámos até o piano para a cozinha, e tem tudo a ver com a área da cultura, com o que faço, a minha família, quem está comigo, a minha casa, sabem que venho, estou, mas não vou ficar. Não sou só deles, tenho outra coisa à qual pertenço, que é a Arte”.

Outro tema referenciado, “Vai”, de Maro e Michael League, “é uma canção de amor, mesmo quando ele está a desaparecer”. “A capacidade, ainda amando o outro, e por isso mesmo, libertá-lo e deixá-lo partir, por muito que isso nos custa, mas é mais uma demonstração desse amor, e este tema fala disso”, disse Gisela João.

Sobre o álbum, o escritor Gonçalo M. Tavares afirma que “há abandono, melancolia e perda amorosa, desistências e mudanças decisivas, mas também a vibração feminina que dá uma resistência diferente às letras do fado”.

O escritor faz notar que “as ‘tábuas do palco’, de Gisela João – tema que percorre todo o disco – por vezes salvam um corpo inteiro, outras vezes sacrificam-no. Mas as tábuas do palco são sempre essenciais. Do chão, quem canta espera sempre muito – espera tudo ou quase tudo”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.