Pelo menos 90% das pessoas em lares e cuidados continuados vacinados com 1.ª dose

Data:

Pelo menos 90% das pessoas residentes nos lares de idosos e nas unidades de cuidados continuados já receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19, revela o último relatório do estado de emergência.

“Por referência a essa mesma data [14 de março], nos estabelecimentos residenciais para idosos (ERPI) e na rede nacional de cuidados continuados integrados (RNCCI), 90% do universo de pessoas elegíveis para vacinação até então, já havia recebido, pelo menos, a primeira dose da vacina”, refere o documento do Governo e entregue na Assembleia da República.

O documento, referente ao período de 02 a 16 de março, esclarece que o relatório do anterior estado de emergência fazia referência a uma cobertura vacinal de 100% das pessoas a vacinar em ERPI e RNCCI, em relação à primeira dose.

No entanto, não estavam incluídos naquele universo os estabelecimentos afetados por surtos de covid-19 que não reuniam critério para vacinação, bem como 30 lares de idosos não licenciados.

O relatório realizado pela Estrutura de Monitorização do Estado de Emergência, coordenada pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, dá também conta que, na primeira quinzena de março e com as aulas em regime não presencial, foram servidas, em média, cerca de 45.000 refeições diárias a alunos beneficiários de Ação Social Escolar.

O documento sublinha que a média diária de alunos a frequentar presencialmente a escola continuou a subir naquele período, tendo rondado os 18.730 alunos, cerca de 7.300 dos quais eram filhos de trabalhadores essenciais, 6.700 para quem o ensino à distância se revelou ineficaz e 4.700 alunos que necessitam de terapias ou medidas adicionais.

No capítulo dedicado à caracterização da situação económica, o relatório refere que, entre 02 e 16 de março, os níveis de procura interna demonstram “uma aceleração ligeira”, mas sem valores significativos, que não deixam “de ser um dado positivo, precisamente por ser uma indicação da aceleração a esperar no período de pós-confinamento”.

O documento, que é feito quinzenalmente pelo Governo, salienta ainda “a tendência fortemente decrescente de novos casos de infeção por SARS-CoV-2”, que se faz notar desde final de janeiro, bem como da “diminuição expressiva” do número de internamentos hospitalares, nomeadamente em unidades de cuidados intensivos.

A taxa de letalidade é de 2% e a maioria das pessoas mortas por covid-19 (87,2%) tem idade igual ou superior a 70 anos.

O número de testes de diagnóstico à covid-19 efetuados, até 16 de março, ascendia a 8.632.481.

Desde março de 2020 já morreram em Portugal 16.890 pessoas dos 825.031 casos de covid-19 confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.