Lançado até final do ano concurso para instalar Museu Nacional da Música em Mafra

Data:

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, disse hoje que, até ao final do ano, será lançado o concurso para obras de instalação do Museu Nacional da Música no Palácio Nacional de Mafra, de modo a receber os primeiros visitantes em 2023.

“Ao longo deste ano, será lançado o concurso para a empreitada, para que esta se inicie em 2022 e que, em 2023, o museu possa acolher os seus primeiros visitantes” em Mafra, disse aos jornalistas Graça Fonseca, durante a apresentação deste projeto em Mafra.

A governante sublinhou que “era muito importante encontrar, de uma vez por todas, uma casa definitiva” para o Museu Nacional da Música, instalado há mais de 25 anos, de forma provisória, na estação do Metro do Alto dos Moinhos, em Lisboa.

A diretora do Museu Nacional da Música, Graça Drummond Ludovice, explicou que, nas atuais instalações, “há falta de espaço para a coleção que tem vindo a crescer”, e que a mudança para o Palácio Nacional de Mafra “vai permitir criar sinergias, dar maior visibilidade que o museu merece e atrair mais público”.

Tomada em 2019, pelo Governo, a decisão de instalar em Mafra o Museu Nacional da Música “mostra uma clara intenção do Ministério da Cultura em dotar um acervo de bens culturais, que é único na Europa, das condições necessárias para a sua preservação, estudo e divulgação, ao mesmo tempo que se cria uma simbiose com o património cultural e natural de Mafra”, afirmou a ministra da Cultura.

A instalação do Museu da Música em Mafra representa um investimento de 3,8 milhões de euros, financiados em 2,8 milhões pela tutela e, os restantes, pelo Município de Mafra.

Graça Fonseca admitiu que “há muito que o acervo [do museu] se encontra em instalações provisórias e que não permitem o desenvolvimento de todo o seu potencial, nem tão-pouco uma experiência museológica aos visitantes, proporcional à riqueza dos bens culturais que o museu guarda”.

Além do Museu da Música, a governante lembrou que, em Mafra, vai também funcionar um centro de investigação e de formação dedicado às ciências musicais, fruto de uma parceria com a Universidade Nova de Lisboa, “com o objetivo de enriquecer e valorizar o património musical” instalado e a instalar no palácio.

Em outubro, o Ministério da Cultura e a Câmara Municipal de Mafra escolheram a parceria dos gabinetes de arquitetura Site Specific Arquitetura e P06 Atelier para a elaboração do projeto para o Museu da Música, entre 17 propostas apresentadas ao concurso.

O museu, atualmente instalado na estação de Metropolitano do Alto dos Moinhos, em Lisboa, tem uma das mais ricas coleções da Europa de instrumentos musicais, com um acervo composto por mil instrumentos dos séculos XVI ao XX, de tradição erudita e popular.

Fazem também parte do museu vários espólios documentais, e coleções fonográficas e iconográficas do maior relevo.

Entre os instrumentos classificados como Tesouro Nacional estão o cravo Taskin, de 1782, recentemente restaurado, e o cravo Antunes, de 1758.

O piano Boisselot, que o compositor e pianista Franz Liszt trouxe a Lisboa, em 1845, e o violoncelo de Antonio Stradivari, que pertenceu ao rei D. Luís, são outros tesouros do museu.

O violoncelo de Henry Lockey Hill, de Guilhermina Suggia, os violinos e violoncelos de Joaquim José Galrão, os clavicórdios setecentistas das oficinas lisboetas e portuenses são outros destaques da coleção, assim como os raros cornes ingleses Grenser e Grundman & Floth, do final do século XVIII, e as flautas de Ernesto Frederico Haupt, de meados do século XIX, que são exemplares únicos.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.