Deslocação de Marcelo Rebelo de Sousa à Madeira e Açores adiada devido às condições de vento

Data:

A deslocação do chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, à Madeira, hoje, foi adiada devido às condições de vento previstas, ficando também adiada a sua ida aos Açores, informou fonte da Presidência da República.

De acordo com fonte da Presidência da República, “as condições de vento previstas na Madeira, forçaram ao adiamento da deslocação à Madeira, sendo adiada também a deslocação aos Açores”.

“As duas visitas serão oportunamente agendadas”, acrescentou a mesma fonte.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ia deslocar-se hoje às regiões autónomas da Madeira e dos Açores para se reunir com os representantes da República, presidentes dos governos e dos parlamentos regionais.

Segundo a agenda divulgada na quinta-feira, o chefe de Estado ia primeiro à Madeira, com chegada ao Funchal perto da hora de almoço, seguindo durante a tarde para Ponta Delgada, nos Açores, onde ficaria até à noite.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.