Covid-19: Vinhos do Dão defendem ‘lay-off’ para pequenos produtores e engarrafadores

Data:

O presidente da Comissão Vitivinícola Regional (CVR) do Dão, Arlindo Cunha, defendeu hoje que o ‘lay-off’ também se deve aplicar aos pequenos produtores e engarrafadores de vinho, que são os que mais sentem os impactos da pandemia.
Em declarações à agência Lusa, Arlindo Cunha disse que “os impactos da pandemia no setor dos vinhos são muito assimétricos”.
“As empresas de maior dimensão, as que têm economias de escala, que produzem e comercializam milhões de garrafas, vendem essencialmente nas grandes superfícies e também na exportação. Para essas, o impacto não foi tão forte”, contou.
Já no que respeita aos “produtores engarrafadores que vendiam essencialmente para o canal HORECA (hotéis, restaurantes e cafés)”, a situação é “muito grave” devido à crise no setor do turismo e ainda piorará com o confinamento atual, alertou.
Arlindo Cunha explicou que os pequenos produtores engarrafadores “não têm escala para vender na grande distribuição, nem para exportar”, e que o seu principal canal de escoamento “ficou altamente condicionado e, agora, com o confinamento, mesmo bloqueado”.
A Associação Nacional das Denominações de Origem Vitivinícolas está a realizar um inquérito aos produtores de cada região sobre os impactos da pandemia, mas o contacto diário com os produtores permite já ter uma ideia dos resultados.
“Estamos à espera do estudo para quantificar estas quebras, mas serão superiores a 50%, seguramente. E ainda agravarão mais com o confinamento”, frisou.
Neste âmbito, o antigo ministro da Agricultura disse ser “importante que o Governo analise os problemas dos produtores engarrafadores de pequena e média dimensão, para ver como é que lhes pode ajustar os mecanismos de ‘lay-off’”.
“Eles têm uma atividade diversificada, porque fazem viticultura, fazem enologia, fazem as vendas. Não há uma afinação do ‘lay-off’ para estas situações dos pequenos produtores e engarrafadores”, lamentou.
Arlindo Cunha defendeu também a aplicação das ajudas à armazenagem ao vinho que já está engarrafado.
“Essas ajudas deviam ser aplicadas não apenas ao vinho a granel, mas também ao vinho que já está engarrafado, mas que não pode ir para o mercado, porque o mercado HORECA está parado”, explicou.
Outra medida que considera importante é a criação de “uma linha especial de financiamento de tesouraria para as adegas cooperativas e para as empresas que compraram uvas aos produtores”.
“Em todas as regiões há milhares de agricultores que vendem as uvas, não são produtores de vinho. O pagamento destas uvas não é imediato, vai ocorrendo ao longo dos meses seguintes, à medida que o vinho vai indo para o mercado”, afirmou.
A linha de crédito iria permitir “melhorar a tesouraria destas adegas cooperativas e das empresas”, acrescentou.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.