Médio Tejo inicia trabalho de internacionalização com Câmara de Comércio Portugal-China

Data:

A Comunidade Intermunicipal (CIM) do Médio Tejo e a Câmara de Comércio de Pequenas e Médias Empresas Portugal-China assinaram em Tomar um protocolo de cooperação com o objetivo de promover a internacionalização das empresas da região.
Em comunicado, a CIM do Médio Tejo refere que “abriu as suas portas para a China, intensificando as relações institucionais através de um protocolo de cooperação que tem como objetivo estabelecer fortes ligações com aquele país”, e que resulta de um protocolo hoje assinado na sede da CIM, em Tomar, no distrito de Santarém.
A cerimónia contou com a presença da presidente da CIM do Médio Tejo, Anabela Freitas, e do presidente da Câmara de Comércio de Pequenas e Médias Empresas Portugal-China, Y Ping Chow.
O acordo entre as duas entidades prevê um conjunto de iniciativas, entre as quais a “procura e seleção, em cada país, de projetos e iniciativas que possam conduzir a ações de cooperação conjunta”, a par da “difusão e intercâmbio regular de informação sobre as atividades desenvolvidas por ambas as instituições”, bem como sobre “programas e iniciativas que possam contribuir para o reforço da cooperação, através da manutenção atualizada de uma carteira de oportunidades existentes”.
O documento hoje assinado prevê ainda “apoio à organização, promoção, divulgação e participação mútua em feiras e mostras, conferências temáticas bilaterais e ações de transferência de tecnologia/bolsas de contacto empresariais em áreas de interesse de acordo com a especialização produtiva da região”, a par da participação em missões externas conjuntas, colaboração em ações que configurem oportunidades de penetração em mercados externos e, por último, apoio ao desenvolvimento de projetos inovadores conjuntos de cooperação.
Citada em nota de imprensa, Anabela Freitas disse que a mais valia do protocolo de cooperação estava centrada “sobretudo na internacionalização das empresas do Médio Tejo”, tendo referido existir um “grande interesse pela cidade de Changchun, com sete milhões de habitantes”, cidade com a qual já está “preconizado um entendimento”.
A presidente da CIM Médio Tejo, segundo a mesma nota, disse que “o Médio Tejo é uma região que usufrui de uma posição geográfica privilegiada pela sua localização central e proximidade à capital administrativa do país, Lisboa”, tendo acrescentado que a “região congrega zonas industriais, com infraestruturas dotadas de todas as condições para atrair pequenas, médias e grandes empresas, onde o emprego e mão de obra qualificada assentam na forte tradição industrial”.
O presidente da Câmara do Comércio Portugal-China, Y Ping Chow, referiu que através do protocolo “será possível criar uma equipa de trabalho para melhor conhecer a região do Médio Tejo e perceber o que se pode fazer por cá”, pode ler-se na mesma nota.
“Se o Médio Tejo conseguir estabelecer uma boa relação com Changchun será importante, pois é uma cidade com várias fábricas, desde a construção de comboios, camiões, carros, uma indústria pesada, bastante forte e com 7 milhões de pessoas”, disse.
O protocolo de cooperação hoje assinado é válido por um período de dois anos, considerando-se automaticamente renovado, por períodos de um ano.

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.