U-Aerospace produz capacetes de voo e máscaras de oxigénio para pilotos de aviões supersónicos de todo o mundo

Data:

A U-Aerospace, do grupo francês Ulmer, produz em Ponte de Sor máscaras de oxigénio para pilotos de aviões supersónicos de todo o mundo, da Ásia ao Canadá.
A empresa está entretanto a expandir para a área de capacetes de voo cuja produção espera iniciar produção este ano 2021, grupo francês Ulmer quer continuar a investir.  A fábrica instalada, no aeródromo municipal tem o seu modelo de negócio centrado no ar, nas altitudes elevadas e nos níveis de oxigénio muito baixos, contudo os destinatários dessas máscaras de oxigénio são os pilotos de aviões supersónicos.
De acordo coma notícia avançada pelo Mediotejo.net, a empresa francesa, com mais de 80 anos, está agora a expandir para a área de capacetes de voo, já contando em Portugal, com 20 capacetes de helicóptero a voar com as tripulações do INEM, e muitos outros no mundo inteiro. Em 2021, espera ver nascer fisicamente em Ponte de Sor a LD Helmet, num investimento superior a um milhão e meio de euros “só em equipamentos”, para fabricar “capacetes de aviação” destinados a pilotos de alta performance “feitos em compósito.
O primeiro capacete totalmente novo, 200 gramas mais leve no caso dos caça” em relação aos existentes no mercado, ou seja, a pesar cerca de um quilograma, “conforme avançou João Barbosa, engenheiro aeronáutico e diretor técnico da U-Aerospace.
Neste momento são fabricados em Itália e Suíça porque a LD Helmet “ainda não tem instalações. As máscaras de oxigénio são então anexadas aos capacetes.
No aeródromo de Ponte de Sor, a empresa U-Aerospace fabrica então máscaras de oxigénio para pilotos de caças, pilotos de transporte e pilotos de helicóptero ou utilizando uma linguagem mais técnica: produtos de proteção fisiológica para tripulação aérea e dispositivos estratosféricos de alta performance, com elevados requisitos de qualidade.
Ou seja, equipamentos técnicos de oxigenação para tripulações de aeronave e paraquedismo a alta altitude, equipamentos de teste para o controlo desses equipamentos, equipamentos de teste de áudio para capacetes e máscaras de oxigénio e todos os equipamentos relacionados com esta atividade, bem como rádios para equipas de porão e de paraquedismo e sistemas de navegação para paraquedistas.
Segundo a notícia avançada pelo Médiotejo.net desde o início da pandemia a U-Aerospace aumentou os níveis de produção. E aumentou ainda a equipa contratando “mais seis trabalhadores contando neste momento com 19.

Atualmente a U-Aerospace faz “a submontagem de seis componentes (traqueia, cordão de comunicação, concha, a máscara que tem lá dentro um microfone, uma válvula de expiração).
A empresa terá também este ano 2021 “uma linha de máscaras para o Airbus A400”, uma máscara mista militar e civil. Além disso fabricam em Ponte de Sor “cordões de comunicação e traqueias confecionadas”, estas últimas para paraquedistas.
O grupo francês Ulmer Aeronautique tenciona ainda iniciar o novo projeto de produção na área da aeronáutica durante o próximo ano, propondo-se criar “30 postos de trabalho” para a fabricação de capacetes, sendo contudo, essa contratação, “de forma gradual”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.