Suécia em dificuldade face à segunda vaga de Covid-19 leva rei a dizer que país “falhou”

Data:

A Suécia e a sua estratégia atípica contra a covid-19 enfrentam dificuldades face a uma importante segunda vaga, alertaram esta quinta-feira responsáveis locais, no mesmo dia em que o rei diz que o país nórdico “falhou”.

“A autoridade de saúde pública preparou três cenários no verão. Preparámo-nos para o pior, mas é duas vezes pior”, explicou Lars Falk, um responsável de cuidados intensivos no hospital Karolinska de Estocolmo, à agência France Presse.

Serviços de reanimação sob pressão, pedido de reforço de todo o pessoal de saúde qualificado em Estocolmo, mortalidade até 10 vezes mais alta que a dos seus vizinhos do norte: este outono, a estratégia sueca, menos rígida face à epidemia, repete os maus resultados da primavera.

“Infelizmente, o nível de contágio não diminui (…) e é muito preocupante”, afirma à AFP o diretor de saúde da região de Estocolmo, Bjorn Eriksson, descrevendo “a enorme pressão sobre o sistema de saúde”.

“Agora chega”, protestou na semana passada. “Não vale beber um copo depois do trabalho, encontrar-se com pessoas fora de casa, fazer compras de Natal ou tomar café: as consequências são terríveis”.

No início da semana, as hospitalizações ligadas à covid-19 na Suécia igualaram o seu pico de 20 de abril, com quase 2.400 doentes em tratamento, embora a proporção em cuidados intensivos seja duas vezes menor que na primavera, à volta de 10%.

O número de mortos atingiu os 7.802 na quarta-feira – mais de 1.800 desde o início de novembro – e o de novos casos ronda em média os 6 mil diários, segundo os dados oficiais.

“Creio que falhámos”, afirmou hoje o rei da Suécia, Carlos XVI Gustavo, numa rara incursão no comentário da atualidade.

“Morreram muitas pessoas e é terrível. É algo que nos faz sofrer a todos”, afirmou à televisão SVT durante uma entrevista de final de ano.

Sem máscaras, nem encerramento dos bares, restaurantes e lojas ou quarentena obrigatória, a Suécia distinguiu-se por uma estratégia baseada essencialmente em “recomendações” e muito poucas medidas coercivas.

Face ao forte aumento do número de infetados, foram feitas recomendações mais rigorosas, nomeadamente para não se conviver com pessoas além das de casa.

Ao contrário do que muitos acreditam, o país escandinavo nunca visou a imunidade coletiva, mas os responsáveis sanitários pensaram que o elevado nível de contágios na primavera lhes permitiria conter mais facilmente um ressurgimento da epidemia a longo prazo.

A segunda vaga da epidemia atingiu a Suécia um pouco mais tarde do que os restantes países na Europa, mas o excesso de mortalidade ultrapassou os 10% em novembro e deve continuar a agravar-se.

Apesar das críticas na terça-feira de uma comissão independente, o primeiro-ministro, Stefan Lovfven, recusou até agora considerar a estratégia um fracasso.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.