Renasceram as históricas toalhas de Torres Novas com uma direção jovem

Data:

As históricas toalhas de Torres Novas estão de volta (e agora são sustentáveis)
Depois de falir em 2011, a marca portuguesa fundada há 175 anos ganhou uma nova vida com uma direção mais jovem.
        
A25 de novembro, a histórica marca portuguesa de turcos de banho Torres Novas relançou-se. Nascida em 1845, a empresa faliu em 2011 e recebeu, em outubro de 2018, três novos pares de mãos para ajudar a reerguê-la. Agora, em plena pandemia de Covid-19, os responsáveis explicam que “nada pode impedir a vontade de criar e fazer crescer projetos orgulhosamente ‘made in Portugal’.”
Adolfo de Lima Mayer, de 82 anos, era o maior acionista e também “a alma da marca”. Nove anos depois da falência, viu o seu negócio a ser relançado pelo sobrinho-neto, Nuno Vasconcellos e Sá, de 30 anos, a sua mulher, Inês Vaz Pinto, de 28, e o amigo Miguel Castel-Branco, de 31. A Companhia Nacional de Fiação e Tecidos de Torres Novas foi fundada a 2 de Outubro de 1845, em Torres Novas, por um grupo de comerciantes de Lisboa, desejosos de se tornarem independentes de importações.

Nos primeiros anos de existência, focou-se sobretudo na fiação de linho, juta e algodão, e também na confeccão de lonas de algodão, predominantemente para o mercado nacional. No final do século XIX era uma das maiores empresas da indústria transformadora portuguesa.
Com a aquisição da empresa em 1949 por António Medeiros e Almeida, a Companhia de Torres Novas passou por um significativo processo de modernização e promoção no estrangeiro, tendo iniciado, em 1972, o fabrico de toalhas de banho e outros artigos turcos (roupões, chinelos, etc.), passando a controlar todo o processo produtivo, de forma vertical, desde a produção de fio de algodão ao produto final.

Com uma das primeiras linhas de produção de turcos em Portugal, a Companhia de Torres Novas tornou-se rapidamente uma referência na confecção de roupa de banho. A marca Torres Novas consolidou-se como a marca portuguesa mais conhecida de toalhas, famosa pela alta qualidade de construção dos seus produtos, utilização das melhores matérias primas e pelo design das colecções Almonda, Luxus e Elegance, bem como diversos designs inovativos de fantasias e outros artigos. Assim, começou também a marcar presença nas lojas tradicionais portuguesas de segmento alto de produtos para a casa.

Com a entrada no novo milénio, a Companhia de Torres Novas começa a sofrer com concorrência estrangeira e com o desaparecimento de clientes importantes, proporcionado pela crise financeira de 2008, tendo fechado em 2011.
Em 2020, uma nova geração relança a marca “Torres Novas” com o apoio do acionista de referência e antigo Administrador da Companhia de Torres Novas, Adolfo de Lima Mayer, suportando-se em todo o legado e know-how adquirido desde a fundação da fábrica no século XIX, mantendo as características de qualidade e design que sempre caracterizaram a marca e procurando adaptar-se às necessidades do consumidor do agora. O objetivo mantém-se o mesmo: oferecer produtos de alta qualidade que atravessem gerações.

Há dois anos, os três jovens começaram a ajudar Adolfo com a gestão dos seus negócios, uma vez que sempre se manteve ligado à área dos têxteis e à hotelaria. Depois de lhes confessar a vontade de relançar a Companhia de Torres Novas, os amigos “encantaram-se pela ideia”. Inês Vaz Pinto revisitou o arquivo histórico da empresa e recuperou três linhas, todas elas desenvolvidas com algodão de alta qualidade e uma construção “irrepreensível”, que pretendem garantir conforto e durabilidade. São elas a linha Almonda, de 500 gramas por metro quadrado (à venda entre os 4,49€ e os 47,99€), criada em honra ao Rio Almonda, que atravessava a fábrica da Companhia de Torres Novas. Está disponível em quatro cores e tem uma barra recolhida em espinhado. Foi, revelam, durante muito tempo o modelo mais vendido. A esta junta-se a coleção Luxus (com preços dos 3,49€ aos 57,99€), com 550 gramas por metro quadrado, um aspeto clean e contemporâneo que se adequa “a qualquer casa de banho”. Por fim, com barras duplas recolhidas com pestanas, há as Elegance (entre os 5,99€ e os 69,99€), posicionadas no topo de gama da Torres Novas. Existem em 12 cores e pesam 650 gramas por metro quadrado.
As três linhas têm preços variados e contam com vários tamanhos de toalhas: lençóis, toalhas de rosto e toalhas de bidé. Podem ser compradas individualmente ou em conjuntos de duas peças (lençol e rosto) ou de três (lençol, rosto e bidé).
A complementar a oferta, há ainda uma linha de tapetes de casa de banho disponíveis em 12 cores, produzidos com algodão de alta qualidade, com uma gramagem de 775 gramas por metro quadrado e “confeção sólida e duradoura”. Estão disponíveis em 12 cores. Na linha Luxus, vai ainda encontrar os toalhetes para as casas de banho de visita ou para limpar a cara, em branco, bege ou preto (3,49€).
Com o renascimento da marca 175 anos depois da fundação, os responsáveis revelam que surge também um maior compromisso com o seu impacto social e ambiental. Por isso mesmo, todos os artigos são fabricados em algodão de alta qualidade, com uma fibra 100 por cento natural e biodegradável, não recorrendo a matérias-primas artificiais como o poliéster.
A Torres Novas aliou-se também à Comunidade Vida e Paz, entregando à instituição os artigos que resultam de excessos de produção ou que tenham pequenos defeitos e, desse modo, não possam ser vendidos em loja — ainda que estejam em “perfeitas condições para serem usados durante muitos anos”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.