Câmara da Ribeira Grande  em S. Miguel nos Açores considera “necessária” cerca sanitária em Rabo de Peixe

Data:

O presidente da Câmara da Ribeira Grande, Alexandre Gaudêncio, considerou que a cerca sanitária hoje anunciada em Rabo de Peixe é “necessária nesta fase” para conter a covid-19 naquela freguesia do concelho.
“É uma medida que julgo infelizmente ser necessária nesta fase para conter na medida possível esse contágio”, declarou o social-democrata à agência Lusa, questionado sobre a cerca sanitária a ser implementada em Rabo de Peixe.
A freguesia de Rabo de Peixe, na ilha de São Miguel, vai ficar sob cerca sanitária a partir das 00:00 e até 08 de dezembro, e a população vai ser testada, anunciou hoje o Governo dos Açores.
O autarca realçou que o município tem “estado em sintonia com a nova autoridade de saúde” e defendeu que “não restava outra alternativa” à implementação de uma cerca em Rabo de Peixe, a freguesia que regista o maior número de casos de covid-19 nos Açores.
“Achámos que é uma medida que infelizmente tinha de ser tomada, a bem da saúde pública e da população”, afirmou.
O presidente da Câmara da Ribeira Grande considerou que o município “tem um papel importante” na implementação das cercas, referindo que as equipas da câmara “vão para o terreno” a partir da próxima quarta-feira para “criar as infraestruturas”.
Sobre os impactos que a medida poderá ter na população, Alexandre Gaudêncio destacou o caráter temporário dos cordões sanitários, que servirão “para poder testar em massa a população”.
“Estando em sintonia com a autoridade de saúde, concordamos com a medida e tudo faremos para que a mesma funcione no mais curto espaço de tempo possível”, apontou.
Por freguesias, a vila piscatória de Rabo de Peixe, com cerca de dez mil habitantes, é a que regista mais casos (61) nos Açores.
De acordo com deliberação do executivo regional, fica proibida a circulação e permanência de pessoas na via pública, são encerradas todas as escolas e fixa-se a limitação da lotação máxima de um terço da respetiva capacidade na restauração, bares e outros estabelecimentos de bebidas, com ou sem espetáculo e com ou sem serviço de esplanada.
O Governo dos Açores determina ainda que, a partir das 20:00, “são encerrados os restaurantes, bares e outros estabelecimentos de bebidas, com ou sem espetáculo e com ou sem serviço de esplanada, sendo cancelados todos os eventos de natureza cultural ou de convívio social alargado”.
Estão previstas exceções para deslocações necessárias e urgentes, para acesso a cuidados de saúde, assistência, cuidado e acompanhamento de idosos, menores, dependentes e pessoas especialmente vulneráveis, incluindo o recebimento de prestações sociais, bem como de profissionais de saúde e de medicina veterinária, entre outros.
A cerca sanitária vigorará a partir das 00:00 de quarta-feira até às 23:59 de 08 de dezembro de 2020, podendo as medidas previstas “ser revertidas ou revogadas a qualquer momento, tendo em conta a evolução da pandemia na região”.
Nos Açores, foram detetados até hoje 1.044 casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19, e registados 17 óbitos. Há 523 casos recuperados e mantêm-se 421 casos positivos ativos.

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.