Castelo Branco destina um milhão de euros para apoio social e à saúde

Data:

 A Câmara de Castelo Branco anunciou hoje um pacote de medidas extraordinárias de apoio social e à saúde no valor de um milhão de euros, no âmbito da pandemia da covid-19.
“Os apoios são para aqueles que têm mais necessidade. Temos capacidade económica para o fazer. É isso que vamos fazer”, disse o presidente da Câmara de Castelo Branco, José Augusto Alves.
O autarca falava durante uma conferência de imprensa, realizada no edifício dos Paços do Concelho, para a apresentação do “CasteloBrancoApoia”, um conjunto de medidas extraordinárias de apoio à comunidade albicastrense.
Para já, o município apresentou apenas as medidas de apoio às áreas social e da saúde, cujos valores financeiros atingem 600 mil e 400 mil euros, respetivamente.
Na próxima semana, a autarquia vai apresentar um pacote de medidas e financeiro específico para o apoio à economia do concelho de Castelo Branco.
José Augusto Alves apelou novamente à responsabilidade individual para que Castelo Branco possa sair do “vermelho”, ou seja, da lista de 191 concelhos do país considerados de risco elevado de contágio causado pelo novo coronavírus Sars-CoV-2.
No âmbito do apoio à saúde, as medidas extraordinárias incluem a aquisição de mais equipamentos preventivos para as escolas do concelho, apoio à Unidade Local de Saúde de Castelo Branco (ULS) para aquisição de um equipamento de desinfeção para o Hospital Amato Lusitano (HAL) e para aquisição de testes rápidos.
A autarquia vai ainda adquirir equipamentos para medição de temperatura em todos os espaços municipais e, no âmbito da contratação pública, está em andamento a aquisição de cerca de 50 mil máscaras para distribuir à população do concelho de Castelo Branco.
O autarca socialista realçou ainda que o município tem preparada uma área de apoio de retaguarda, situada no pavilhão municipal, com capacidade para receber 60 pessoas.
De igual modo, há a disponibilidade para criar uma outra área de apoio de retaguarda distrital, em articulação com o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), no piso zero da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias (ESALD), com capacidade para 60 camas.
Já para o setor social, com uma dotação de 600 mil euros, estão incluídos apoio no pagamento dos valores referentes à atividade de apoio à família no âmbito da educação pré-escolar do ensino público, nos segundo e terceiro períodos letivos.

A isenção do pagamento das refeições aos alunos do escalão B nos segundo e terceiro períodos letivos e a reativação das bandas largas para os alunos que necessitem delas nos segundo e terceiro períodos são outras das medidas contempladas.
O município vai ainda apoiar os alunos do IPCB com residência fiscal em Castelo Branco à data do início do presente ano letivo, com o pagamento parcial das propinas, vai reforçar o programa de apoio de compras a medicamentos e reativar o programa Habitar Castelo Branco Solidário.
José Augusto Alves disse ainda que no início da primeira vaga da pandemia da covid-19, as medidas de apoio disponibilizadas pela autarquia ultrapassou os 1,5 milhões de euros.
Portugal contabiliza pelo menos 3.553 mortos associados à covid-19 em 230.124 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.