Covid-19: Restaurantes da Mealhada anteveem impacto “catastrófico” 

Data:

Os restaurantes da Mealhada, conhecidos por servirem o leitão assado da Bairrada, anteveem um cenário catastrófico na faturação se o concelho vier a ser incluído na lista dos municípios mais afetados pela pandemia da covid-19.
O presidente da Câmara deste município do distrito de Aveiro, Rui Marqueiro, lançou inclusivamente um apelo às mais altas figuras do Estado para que o horário de funcionamento nos fins de semana de confinamento fosse estendido até às 15:00, antevendo a inclusão do concelho naquela lista.
Já hoje, o primeiro-ministro, António Costa, afastou essa possibilidade.
De acordo com o autarca, o município regista mais de 400 casos de infeção por covid-19, reunindo assim os requisitos para ser abrangido pelas medidas mais penalizadoras de combate à pandemia.
“Um restaurante na Mealhada não pode fechar às 13:00 ou então não abre, porque não servimos pequenos-almoços de leitão”, ironizou Sandra Alves, proprietária do restaurante Pic Nic dos Leitões, aberto há 40 anos e que emprega 12 funcionários num espírito de “família”.
Em declarações à agência Lusa, a empresária considera que a alteração do horário de confinamento “fazia toda a diferença”, na medida em que a probabilidade de servir refeições até às 15:00 “é muito maior do que servir até às 13:00”.
Segundo Sandra Alves, a restauração da Mealhada vive muito dos clientes de fora do concelho, sobretudo do norte, pelo que “qualquer confinamento naquela área geográfica e os restaurantes notarão logo a diferença”.
Ouvido pela agência Lusa, António Paulo Rodrigues, responsável do restaurante Rei dos Leitões, considera que o recolher obrigatório a partir das 13:00 “vai piorar muito a situação da restauração”.
“Vai ser um grande revés, num ano que já estava a ser muito mau, porque fechando às 13:00 poucas ou nenhumas refeições vamos servir no restaurante”, enfatizou o empresário, que há 10 anos trocou a banca pela gestão do restaurante familiar, aberto desde 1947 e que emprega 18 pessoas.
No restaurante O Castiço, em funcionamento desde 1975, a gerente Carla Carvalheira antevê um “cenário catastrófico” num setor que “tem estado muito difícil, a cair abruptamente desde há três semanas”.
Salientando que o recolher obrigatório às 13:00 vai “piorar a situação”, a empresária sublinha que os restaurantes estarem abertos até às 13:00 “não faz sentido nenhum”.
“O mês de novembro é para esquecer”, desabafa Carla Carvalheira, considerando que o prolongamento até às 15:00 “não ia adiantar grande coisa, porque o forte é todo o fim de semana”.
Mesmo ao lado, no restaurante Couceiro dos Leitões, aberto desde 1952, Carla Couceiro refere à agência Lusa que o recolher obrigatório “não abona nada de bom no futuro para ninguém”.
Já com as medidas em vigor e as limitações de circulação no fim de semana do Dia de Todos os Santos a situação “era má, com pouco movimento, mas em que ainda se conseguia faturar alguma coisa para pagar as despesas fixas, que são muitas”.
“Vai ser um período muito difícil e nós estamos numa casa em que não precisamos de pagar renda, imagine-se quem tem de pagar”, enfatiza Carla Couceiro, que via com bons olhos o alargamento do período de fecho das 13:00 para as 15:00, “porque assim seria possível fazer os almoços normalmente e isso seria uma grande ajuda”.
Os responsáveis de restaurantes ouvidos pela agência Lusa destacaram que os meses de verão, sobretudo agosto, ultrapassaram as expectativas em termos de faturação, com alguns a baterem recordes de faturação diários.
Aqueles empresários descartam, para já, qualquer possibilidade de despedimentos.
O Governo anunciou o recolher obrigatório entre as 23:00 e as 05:00 nos dias de semana, a partir de segunda-feira e até 23 de novembro, nos 121 municípios mais afetados pela pandemia, sendo que, ao fim de semana, o recolher obrigatório inicia-se a partir das 13:00 nos mesmos 121 concelhos.

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.