Cientistas da Universidade de Aveiro alertam para o lixo da pandemia

Data:

É urgente encontrar alternativas ao uso de máscaras e luvas descartáveis e que o uso dos plásticos seja feito de uma forma responsável.
O apelo é de uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA), que têm estudado nos últimos meses o aumento do lixo e a diminuição da gestão sustentável de resíduos de plástico. Estes são “dois enormes efeitos colaterais derivados do combate à pandemia”, alertam.
A equipa, formada por Joana Prata, Ana Luísa Silva, Armando Duarte e Teresa Rocha-Santos, investigadores do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), uma das unidades de investigação da UA, publicou três artigos científicos onde alertam e fazem recomendações.
No primeiro estudo, elaboraram uma série de recomendações de gestão coletiva, mas também individual, deste novo lixo que ameaça inundar rios e mares.
O segundo estudo alerta para a necessidade de encontrarem alternativas para o uso e gestão final adequados de equipamentos de proteção.
E na terceira publicação, que contou ainda com a participação de Amadeu Soares e Diana Campos, também do CESAM, os cientistas abordam os impactos a curto prazo da produção e utilização deste lixo e resumem uma série de recomendações políticas para a sua correta gestão.
Os artigos foram realizados em parceria com a Universidade de Dalhousie (Canadá), o Instituto de Diagnóstico Ambiental e Estudos da Água (Espanha) e a Beijing Normal University (China).

Materiais espalhados no ambiente

A quantidade de plásticos não reutilizáveis, entre máscaras, luvas e outros materiais de proteção, que foi preciso passar a usar na proteção diária, aumentou exponencialmente à medida do aumento de casos. “E muitos desses materiais já estão espalhados no ambiente”, asseguram.
“Se numa primeira fase o confinamento que alastrou um pouco por todo o globo trouxe ganhos para o meio ambiente, com a redução da poluição atmosférica, numa segunda fase cedo se percebeu que o ambiente iria sofrer”, refere a UA numa nota enviada ao ‘Mundo Português’.
A motivar este trabalho de investigação da equipa da UA esteve a quantidade de material de proteção pessoal descartável que encontraram em espaços públicos. “O descarte correto das máscaras e luvas descartáveis foi negligenciado e estes resíduos passaram a ser encontrados nas ruas e passeios”, diz Joana Prata.

Ana Luísa e Joana Prata recomendam o uso dos plásticos de forma responsável: “otimização da sua produção, utilização ponderada, substituição do descartável pelo reutilizável, e gestão de resíduos eficaz e sustentável”

Com base nas estratégias de saúde pública aplicadas pelos países, as duas investigadoras estimaram que a nível mundial são necessárias mensalmente 129 mil milhões de máscaras e 65 mil milhões de luvas.
Números nos quais não estão contabilizadas as batas descartáveis e outros materiais de proteção, cuja “gestão desadequada tem como resultado uma contaminação ambiental generalizada”, referem.
Para contornar o problema ambiental, Ana Luísa e Joana Prata, primeiras autoras dos três estudos, afirmam que é urgente encontrar alternativas sustentáveis para as máscaras, luvas e plásticos de utilização única.
E que, dentro do possível, “esses materiais sejam reciclados depois da sua desinfeção ou quarentena, que se use preferencialmente máscaras feitas com materiais reutilizáveis e que se regresse ao caminho da economia circular que estava a ser traçado para os materiais plásticos antes de surgir a pandemia”, como recomendam nos três estudos que publicaram.

Plásticos: uso responsável a longo prazo

A pandemia trouxe ainda outras alterações na utilização do plástico, com aumentos e decréscimos no seu uso dependendo das aplicações. Para além do material de proteção pessoal, o aumento de consumo de plásticos “foi observado em embalagens alimentares, como de takeaway”, revelam ainda.
A pandemia trouxe a urgência de se preservar a saúde no imediato e deixar para mais tarde as consequências ambientais.
“Não deveríamos descontinuar uma estratégia ambiental a longo-prazo quando é compatível com as atuais medidas de combate à pandemia e contribui para a futura preservação da saúde humana. Por exemplo, não há evidencias de que a utilização de luvas descartáveis seja mais eficaz do que a correta higienização das mãos”, exemplificam.
As cientistas recomendam por isso que o uso dos plásticos seja feito de uma forma responsável. Isto incluí a “otimização da sua produção, utilização ponderada, substituição do descartável pelo reutilizável, e gestão de resíduos eficaz e sustentável” como refere a investigadora Ana Luísa.
“Situações de emergência, pelos mais variados motivos, irão repetir-se no futuro”, anteveem. Por isso, “teremos de delinear estratégias para uma produção e utilização sustentáveis dos materiais plásticos em situação de emergência. Os plásticos podem ser bons ou maus, tudo depende da forma como são utilizados e descartados”.

Ana Grácio Pinto

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.