Município de Aguiar da Beira requalifica dólmen I do Carapito

Data:

O município de Aguiar da Beira, no distrito da Guarda, vai investir cerca de 400 mil euros na requalificação do dólmen I do Carapito, uma obra que era aguardada “há mais de 40 anos”.

Segundo a autarquia presidida por Joaquim Bonifácio, o dólmen I do Carapito está classificado como Monumento Nacional, “sendo o maior da região Centro de Portugal e um dos dólmenes mais conhecidos internacionalmente”.

O monumento, intervencionado em 1966 por Vera Leisner e Leonel Ribeiro, e, mais tarde, em 1989, por Domingos Cruz e Raquel Vilaça, “foi um dos primeiros monumentos megalíticos portugueses profundamente estudado”, de acordo com a fonte.

O auto de consignação da obra de “Requalificação do Dólmen I do Carapito – Reconstituir a Mamoa” foi assinado na quarta-feira e os trabalhos tiveram início na segunda-feira.

A assinatura do auto de consignação “foi um momento extremamente relevante”, não apenas para o concelho, mas para toda a região Centro, “pois com este ato dá-se início a uma obra aguardada há mais de 40 anos e que só o especial esforço do município permitiu que fosse concretizada”, segundo Joaquim Bonifácio.

“É uma honra [enquanto presidente da Câmara Municipal] levar a efeito uma obra que era há muito tempo esperada pelo concelho e, principalmente, pela população de Carapito”, disse.

A valorização do monumento “contribuirá para dignificar o património histórico e para trazer pessoas ao concelho”, vaticina.

“A intervenção de valorização deste património megalítico, para além da valorização do monumento, define-se como exemplo singular, seja nos aspetos construtivos e estruturais que permitirão a sua reconstrução, seja em termos científicos e didáticos com a reconstituição da mamoa, cuja significativa dimensão implicará um elemento de especial impacto na paisagem”, sublinhou o autarca.

A obra, com um prazo de execução de cerca de nove meses, é financiada no âmbito do Programa Centro 2020.

O projeto, adjudicado e elaborado pela empresa Eon – Indústrias Criativas, contempla “a recolocação da tampa e dos esteios tombados, assim como a reconstrução da mamoa que cobria originalmente o monumento”, a definição de uma área de estacionamentos e a valorização paisagística do conjunto.

Segundo Joaquim Bonifácio, os quatro dólmenes existentes em Carapito “integrarão a pequena rota megalítica do Carapito que já foi adjudicada” e cuja concretização “irá iniciar-se em breve”, e farão parte da futura Rota do Megalitismo da Região Viseu Dão Lafões e Sever do Vouga.

“Cada dólmen tem dimensões e características diferentes, o que valoriza a diversidade do conjunto monumental”, acrescentou.

O dólmen II, “pelas estruturas que revela, possui um especial interesse, considerando o município que constituirá uma mais-valia relevante o seu restauro e qualificação, incluindo uma campanha de escavação arqueológica, na expectativa que tais intervenções venham a contribuir para a valorização de todo o conjunto patrimonial pré-histórico do Carapito”, disse.

“Neste sentido, foi sugerido à equipa da Eon que efetuasse proposta com os trabalhos e estimativas orçamentais para a intervenção naquele dólmen”, concluiu o presidente do município de Aguiar da Beira.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.