Terá o Covid criado em laboratório ou terá origem natural? Cientistas vão analisar todas as teorias…

Data:

Uma equipa internacional de cientistas vai investigar a possibilidade de o novo coronavírus ter saído de um laboratório chinês, numa tentativa de descobrir as origens da pandemia, avança o ‘Daily Mail’.

Os investigadores vão analisar todas as teorias sobre a origem do vírus, na sequência de afirmações não comprovadas de que o patógeno escapou de um laboratório em Wuhan, na China.

A investigação faz parte da Comissão Lancet COVID-19, um órgão criado em Julho para «oferecer soluções práticas» aos desafios da pandemia e fazer recomendações sobre formas de evitar uma futura crise de saúde pública.

Surge na sequência de uma «teoria da conspiração» de que o vírus foi criado pelo Homem num laboratório na China. Uma declaração que descreve as prioridades da equipa considerou como número 1: «Origens: rastrear as origens do vírus de uma forma aberta, científica e imparcial, não influenciada pela agenda geopolítica.».

«As origens do SARS-CoV-2, o vírus que causa a doença COVID-19, ainda não foram definitivamente determinadas, mas as evidências até ao momento apoiam a visão de que o SARS-CoV-2 é um vírus que ocorre naturalmente, em vez de ser resultado da criação e desenvolvimento em laboratório», refere a equipa.

Os cientistas acrescentam ainda: «A possibilidade de envolvimento de laboratórios nas origens da pandemia deve ser analisada com rigor e meticulosidade científica, e com colaboração científica aberta. As origens do vírus devem ser compreendidas, tanto para ajudar a acabar com a pandemia actual quanto para prevenir uma próxima».

No mínimo, a pesquisa pode descartar teorias e ideias da conspiração que não têm qualquer base em evidências científicas, como da criação do vírus em laboratório.

Autoridades estaduais dos EUA deram impulso à ideia de que o SARS-CoV-2, o vírus que causa o Covid-19, saiu de um laboratório ou foi fabricado pela China como uma espécie de arma contra a humanidade.

Contudo os cientistas consideram muito mais provável que a Covid-19 seja uma ‘doença zoonótica’, o que significa que é causada pelo vírus que passa de um animal para um humano de forma natural, ao invés de ter sido criado em laboratório.

Um mercado de Wuhan foi inicialmente considerado o local de origem da Covid-19, onde a venda de animais selvagens vivos teria dado a oportunidade perfeita para que o vírus se propagasse naturalmente entre as espécies.

Acredita-se que o vírus tenha sido desenvolvido em morcegos antes de passar para uma outra espécie, como um pangolim, que então entrou em contacto com humanos, transmitindo o vírus.

Uma vez que entrou na comunidade humana, é provável que o coronavírus tenha sofrido uma mutação para sobreviver e então escalado para fora de controlo como resultado de uma população despreparada.

Existem também teorias de que o vírus foi geneticamente modificado por cientistas, ou que já existe há anos e até matou pessoas no passado.

A pandemia da Covid-19 já infectou mais de 29,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, causando ainda cerca de 936 vítimas mortais.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.