Carlos Moedas defende “reforma profunda” no sistema educativo e segurança social

Data:

O antigo secretário de Estado de Passos Coelho considera que inovação deve orientar as políticas públicas e ser o “motor” do bem-estar social e do desenvolvimento do país e deve ser feita uma aposta nas qualificações que cruzem “o mundo físico e o mundo digital”.

O ex-comissário europeu Carlos Moedas defendeu esta segunda-feira que Portugal deveria fazer uma “reforma profunda” no sistema educativo e na segurança social. O antigo secretário de Estado considera que inovação deve orientar as políticas públicas e ser o “motor” do bem-estar social e do desenvolvimento do país e deve ser feita uma aposta nas qualificações que cruzem “o mundo físico e o mundo digital”.

“As políticas públicas que hoje mais do que nunca precisamos é ter uma reforma profunda do sistema educacional, (..,), é ter uma reforma profunda da nossa segurança social que permita ajudar os que mais precisam e garantir as futuras reformas e pensões”, afirmou Carlos Moedas, num debate realizado em formato misto (presencial e online) pelo Instituto Sá Carneiro, associação de reflexão e formação política ligada ao PSD.

Segundo Carlos Moedas, a inovação é “o motor do nosso bem-estar” e é “aquilo que nos somos e que podemos fazer pela nossa economia para viver melhor”, mas sublinha que, muitas vezes, é um tema “pouco percebido”. No entanto, o ex-comissário europeu explicou que, nos últimos meses, como o aparecimento da pandemia da Covid-19, os países foram obrigados a adotar mudanças e a tornarem-se mais inovadores para fazer face à pandemia.

“Vimos uma transformação completa da educação que nunca tínhamos visto nos últimos 50 anos. A educação passou a estar entre o mundo físico e digital e algumas universidades já disseram que as grandes palestras não voltarão a ser presenciais”, salientou, considerando que esta inovação disruptiva vai ter consequências no papel do professor no futuro, que passará a ser, sobretudo, “de tutor, de ajudar a resolver problemas”.

Carlos Moedas considera que “os políticos não podem criar emprego” e que “o que cria é esta inovação disruptiva”. “Temos de pensar quais as medidas de políticas públicas que podem ter para a favorecer”, defendeu, assinalando que são essas políticas públicas que estão no “ADN da social-democracia”, que coloca no centro “a pessoa humana”.

“Francisco Sá Carneiro [fundador e ex-líder do PSD] sempre nos disse e apostou, durante todo aquele que foi o seu mandato enquanto primeiro-ministro, que a educação era o futuro do país, que a solidariedade era essencial, mas que a pessoa estaria sempre ao centro daquilo que é a política, daquilo que é o nosso futuro”, frisou.

O antigo secretário de Estado do ex-líder do PSD Passos Coelho defendeu ainda que os cidadãos que conseguirem “navegar melhor” nestas duas realidades, física e digital, serão “os melhores profissionais”.

Este foi o primeiro debate de uma iniciativa ‘Sá Carneiro Talks’, integrada no programa do Instituto Sá Carneiro, que assinala o 40.º aniversário da morte do fundador do partido. Além de Carlos Moedas, participaram também na iniciativa a eurodeputada do PSD Lídia Pereira, Miguel Pina Martins, CEO da Science4You, Ricardo Acto, vice-presidente de Operações do Rock in Rio, e João Trigo da Roza, presidente da Associação Portuguesa de Business Angels.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.