Visitas guiadas pela 1.ª vez na Cartuxa de Évora mostram rituais dos monges

Data:

O Mosteiro de Santa Maria Scala Coeli, em Évora, conhecido como Convento da Cartuxa, vai receber visitas guiadas, a partir de sábado, o que acontece pela primeira vez desde a sua reconstrução como eremitério, em 1960.

O ciclo de visitas, com entrada gratuita, mas que requer marcação prévia, decorre até 19 de setembro, revelou hoje, em comunicado, a Fundação Eugénio de Almeida (FEA), responsável pela Cartuxa de Évora.

“Pela primeira vez desde a sua reconstrução como eremitério, em 1960, a FEA promove um ciclo de visitas guiadas ao Mosteiro de Santa Maria Scala Coeli – a Cartuxa de Évora”, destacou a instituição.

A FEA é responsável pelo Convento da Cartuxa não apenas enquanto “património histórico, artístico e arquitetónico de grande valor”, mas também enquanto este foi o único mosteiro contemplativo masculino de Portugal, até outubro do ano passado, quando foi aberta a clausura dos últimos quatro monges, que se despediram da comunidade e viajaram para Espanha.

O Mosteiro de Santa Maria Scala Coeli (Escada do Céu), situado na periferia de Évora, vai passar a ser ocupado por monjas do Instituto das Servidoras do Senhor e da Virgem de Matará, segundo anunciou já o arcebispo de Évora, Francisco Senra Coelho.

Local de oração e contemplação, o mosteiro “foi, durante os últimos 60 anos, um espaço inacessível marcado pela clausura, silêncio e contemplação”, tal como que determinam os Estatutos da Ordem da Cartuxa, realçou a FEA.

“Por esta razão, nos meses que separam a partida da comunidade de cartuxos e o acolhimento das irmãs do Instituto das Servidoras do Senhor e da Virgem de Matará – o ramo feminino da Família Religiosa do Verbo Encarnado – a Fundação Eugénio de Almeida promove um ciclo de visitas guiadas”, acrescentou.

O ciclo que arranca no próximo sábado, com uma visita marcada para as 08:00, vai ser orientado para “a descoberta dos rituais, dos hábitos e dos exercícios espirituais que pontuaram o quotidiano da vida dos monges” que habitaram o mosteiro, indicou a FEA.

“O mosteiro faz parte do imaginário da cidade de Évora. A esfera de misticismo que envolve este espaço desperta a curiosidade do público”, que agora o vai poder visitar, destacou Maria do Céu Ramos, da FEA.

As visitas vão ser conduzidas pelo arquiteto e investigador Luís Ferro, que privou durante dez anos com a comunidade residente neste eremitério alentejano.

Com construção iniciada em 1587, o Mosteiro de Santa Maria Scala Coeli foi o primeiro eremitério da Ordem da Cartuxa a ser construído em Portugal, tendo tido diferentes utilizações, ao longo do tempo.

Foi Hospício de Donzelas Pobres de Évora, Escola Agrícola Regional e centro de lavoura da Casa Agrícola Eugénio de Almeida, acabando por recuperar a sua função religiosa em 1960, “graças à forte convicção cristã e à profunda dedicação de Vasco Maria Eugénio de Almeida, Conde de Vill’Alva, à comunidade de Évora”, relatou a FEA.

As visitas guiadas acontecem, além deste sábado, nos dias 22 de agosto (08:00) e 05 e 19 de setembro (às 19:00), cada uma com uma lotação máxima de 15 pessoas.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.