Como serão as férias na praia daqui a 80 anos? Há 3 cenários possíveis segundo os investigadores

Data:

No Reino Unido, cerca de metade do turismo ocorre nas regiões costeiras, mas com o aquecimento global a aumentar o nível da água do mar em cerca de dois metros nos próximos 80 anos, como será a relação com a costa no futuro?

Nick Davies, investigador da Universidade de Salford, e David Jarratt, da Universidade de Lancashire Central, responderam a esta pergunta com três cenários possíveis, num artigo assinado no The Conversation.

A primeira hipótese resume-se a três palavras: flutuar no lugar. A subida do nível da água do mar é encarada por muitos como uma ameaça distante, mas há já muitos resorts a pensar em planos B. Na ilha de Barbuda, vários hotéis construíra cabanas assentes em estacas. Qualquer que seja a estratégia, o objetivo é o mesmo: manter o turismo viável no mesmo lugar, minimizando os danos causados por níveis mais altos de água.

Seasteading é uma resposta: construir instalações em plataformas no mar. Tendo em conta o espaço costeiro cada vez mais reduzido para os turistas, a criação de novos espaços no mar pode ser uma forma de enfrentar o problema ambiental.

A segunda estratégia é assente no velho ditado “se a montanha não vai a Maomé, vai Maomé à montanha” – ou seja, trazer a praia até nós.

A verdade é que o conceito de praia urbana, que envolve a criação de áreas arenosas em cidades, está a crescer. Quer por esta via, quer pela construção de piscinas artificiais, a verdade é que existem opções capazes de agradar toda a família – dos mais novos aos mais adultos.

Esta solução traz uma grande vantagem para o ambiente, dado que menos viagens significa menos emissões de carbono. A praia urbana Paris Plage, em França, inaugurou em 2002 e, desde aí, vários parisienses e turistas puderam relaxar sob as palmeiras nas margens do rio Sena.

Por último, a reconstrução de toda a costa. “Talvez a solução mais pragmática seja aceitar a natureza a seguir o seu curso e a renunciar ao controlo à medida que o aumento do mar reformula o terreno”, escreveram os autores.

Além disso, destacam que exemplos vindos de Hong Kong, Espanha e da ilha britânica Wallasea demonstram que transformar áreas costeiras em novos habitats pode criar novas oportunidades para a vida selvagem – e até para as pessoas.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.