Máscaras, muito desinfetante e expectativa de adesão à Feira do Livro de Lisboa

Data:

A Feira do Livro de Lisboa, que começa na quinta-feira, será “uma prova de resiliência do setor” num “ano catastrófico” em contexto de pandemia, afirmou a organização.

“A feira é uma altura de excelência para tentar recuperar parte daquilo que foi perdido e permitir aos seus leitores e clientes o contacto com o livro. […] Até ao final do ano [o setor] poderá ter uma perda entre os 30 e os 35 milhões de euros. É um valor que não será recuperado. A palavra adequada para isto é catástrofe”, sublinhou Pedro Sobral, vice-presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), que organiza a feira juntamente com a Câmara Municipal de Lisboa.

Nas vésperas da abertura, o extenso recinto ao ar livre que acolhe a feira do livro, no Parque Eduardo VII, está ainda em modo estaleiro, com pessoas a desempacotar livros, a distribuir novidades editoriais nos escaparates, a colocar iluminação, sinalética e muitos frascos de desinfetante.

De acordo com dados da APEL, este ano estarão presentes 117 participantes em 310 pavilhões, representando 638 editoras, livrarias e chancelas e haverá regras de acesso e de circulação e de manuseamento dos livros.

Pedro Sobral explicou que o uso de máscara é obrigatório para todos e o recinto estará vedado por baias, para que se possa controlar o fluxo de entrada e saída de pessoas.

A lotação estará limitada a 3.300 pessoas em simultâneo, cumprindo as regras de distanciamento impostas pela Direção-Geral da Saúde e aplicando um manual de boas práticas distribuído pela APEL aos participantes, referiu o responsável.

Este ano haverá ainda menos espaços de restauração, o programa cultural associado à feira foi reduzido e acontecerá apenas em auditórios, com inscrição prévia e lotação limitada.

Segundo Pedro Sobral, os visitantes poderão manusear os livros, mas terão sempre de desinfetar as mãos.

“É um espaço muito aberto, a extensão é enorme e basta obedecer às regras e ao senso comum para que não haja aqui nenhum problema. Foi uma adaptação bastante pacífica para nós e para os editores e livreiros”, disse.

Otimista, Pedro Sobral diz que a expectativa é que o número de visitantes este ano “seja muito semelhante ao dos anos anteriores”, que rondou os 475 mil visitantes.

“É o primeiro grande evento pós-confinamento é um espaço aberto, está bom tempo, estamos no final do verão, antes de as crianças irem para as aulas, é uma boa altura para passear, dar uma volta. Veremos se isso se converte em vendas”, disse.

Pedro Sobral recorda a adesão de editores e livreiros à feira do livro para compensar o ano difícil e “a completa ausência de apoio por parte do Governo”.

“Ficámos sozinhos, continuamos sozinhos e a feira do livro é o único evento criado e apoiado pela APEL e é o único apoio que tiveram este ano”, disse.

Atrás do balcão, ainda com muito por desencaixotar, Isabel Manteigas, do Grupo Escolar Editora, contou à agência Lusa que este ano a feira será “um balão de oxigénio”.

“A importância da feira é a máxima. O setor do livro sofreu grandes quebras e estamos todos numa expectativa que a feira corra minimamente bem, será um balão de oxigénio para podermos continuar todos a sobreviver neste ramo”, disse.

Uns metros adiante, ocupando um quarteiro de pavilhões, está o grupo editorial Almedina, com Pedro Franco, responsável de vendas, a admitir à Lusa que há expectativas altas para esta edição.

“O setor do livro atravessa uma fase crítica, trouxemos tudo o que pudemos. Temos alguma expectativa nesta feira, porque para muitos editoras é uma tábua de salvação nesta fase”, sublinhou.

Eduardo Sousa, fundador da Letra Livre, concorda com a realização da feira do livro – adiada da primavera para o final do verão -, mas alerta para o fator “imprevisibilidade”.

“A feira é importante, é bom que se realize, mas é imprevisível, ninguém sabe como é que vai correr. Além disso estamos numa fase de transferência de época, fim de férias, as pessoas têm menos dinheiro, e é o início da escola, vamos ver”, disse à agência Lusa.

A 90.ª Feira do Livro de Lisboa começa na quinta-feira e termina a 13 de setembro.

Este ano voltará a haver a “Hora H”, com descontos mínimos de 50% em livros lançados há mais de 18 meses, funcionando entre segunda e quinta-feira, entre as 21:00 e as 22:00.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.