Casa Varela em Pombal abre como residência artística

Data:

A Casa Varela foi inaugurada em Pombal como residência artística e como um espaço para acolher todas as criações artísticas, promovendo a diversidade e reforçando as redes de partilha com vista ao desenvolvimento do território.
“Não é um formato clássico. O espaço apresenta-se como multifunções culturais, onde se pretende explorar as potencialidades dos agentes e coletividades do concelho, não só do seu trabalho individual, como em conjunto”, disse à agência Lusa o presidente do Município de Pombal, Diogo Mateus.
O autarca entende que o projeto Casa Varela funciona ao contrário: “Não é a Câmara que propõe e financia, mas parte dos agentes a apresentação de propostas”.
“A casa é um meio para a produção cultural e não o fim. Ali, todos têm oportunidade de desenvolver projetos. Não há nada – dentro da capacidade e das regras – que não possa ser aceite”, salientou Diogo Mateus.
A Casa Varela foi concebida para receber todo o tipo de artistas, permitindo que possam nascer novos projetos da rede entre os agentes.
“A ideia é pôr toda a gente a trabalhar em conjunto, dando corpo a projetos, sem diminuir a criatividade individual, de forma a contribuir para a progressão, crescimento e formação de novos projetos com programas nacionais e internacionais. É uma visão diferente que se molda às necessidades de cada um dos agentes”, informa o presidente.
Também pode ser espaço de um escritor consagrado, como de um iniciante de música. A versatilidade está na sua base.
A formação de públicos, a realização de ‘masterclass’, ‘workshops’ ou conferências, a experimentação, a aprendizagem, a partilha de ideias, o treino, a correção e o crescimento são tudo conceitos que entram na Casa Varela, um espaço ‘fora da caixa’, que pretende ter a porta aberta a todos os que lá queiram entrar, garantiu Diogo Mateus.
“Não estaremos satisfeitos só por ter a casa cheia. Queremos que haja qualidade. A casa terá de ser um fator de criação. É um laboratório, uma escola, onde todos aprendem e ensinam e onde se poderá reforçar o espírito da comunidade”.
O presidente pretende ainda que o espaço tenha uma “missão pedagógica” e que possa aliar as vertentes de ensino à cultura, com atividades com as escolas ou com conferências, por exemplo, sobre “importância da música na matemática”.
O projeto permite ainda que se criem projetos em rede nacionais e até internacionais, possibilitando uma “capacidade de realização que nunca foi experimentada”.
Da partilha e da colaboração poderão nascer trabalhos “criativos”, “diversificados” e com “outra dimensão”.
Literatura, cinema, teatro, música, dança, qualquer que seja o género, tudo cabe na Casa Varela, reforçou Diogo Mateus.
Segundo o autarca, a Casa Varela poderá impulsionar o desenvolvimento de um território de criação, aproximando da cidade criativos do país e do mundo, complementando a programação cultural que já existe no concelho e que tem vindo a ter procura.
“A casa está pronta. Agora começam os desafios. Queremos que seja invadida e que as pessoas sintam que é um espaço de conforto, acolhimento e fruição. Estará sempre em construção em função da evolução da sociedade e das tendências”.

Share post:

Popular

Nóticias Relacionads
RELACIONADAS

Compal lança nova gama Vital Bom Dia!

Disponível em três sabores: Frutos Vermelhos Aveia e Canela, Frutos Tropicais Chia e Alfarroba e Frutos Amarelos Chia e Curcuma estão disponíveis nos formatos Tetra Pak 1L, Tetra Pak 0,33L e ainda no formato garrafa de vidro 0,20L.

Super Bock lança edição limitada que celebra as relações de amizade mais autênticas

São dez rótulos numa edição limitada da Super Bock no âmbito da campanha “Para amigos amigos, uma cerveja cerveja”

Exportações de vinhos para Angola crescem 20% desde o início do ano

As exportações de vinho para Angola cresceram 20% entre janeiro e abril deste ano, revelou o presidente da ViniPortugal, mostrando-se otimista quanto à recuperação neste mercado, face à melhoria da economia.

Área de arroz recua 5% e produção de batata, cereais, cereja e pêssego cai 10% a 15%

A área de arroz deverá diminuir 5% este ano face ao anterior, enquanto a área de batata e a produtividade dos cereais de outono-inverno, da cereja e do pêssego deverão recuar 10% a 15%, informou o INE.